terça-feira, 26 de junho de 2012

Envelhecer





Nos últimos dias li algumas matérias sobre a “medicina antiaging”, ou “antienvelhecimento”. 
Acho essa nomenclatura totalmente equivocada. 
Não há como impedir o envelhecimento e fazer de conta que o aumento de idade não está acontecendo. 
A velhice é uma das fases da vida, assim como a infância, a adolescência, a idade adulta, e não há como impedir sua ocorrência. Ela só não existirá, se a morte ocorrer antes. 
Mas há quem pense que adotando a medicina “antienvelhecimento”, e usando dos recursos estéticos como cirurgias plásticas, botox e outros, deixará de ser velho/a. 
A aparência pode (?) se assemelhar à de uma pessoa mais nova, mas as células, os tecidos e os órgãos não conseguirão manter equivalência com os corpos jovens. 
Assim, a busca pela manutenção da juventude, é realmente uma luta vã. 
Contudo é necessária uma outra luta, que exige bastante empenho: a busca de uma boa qualidade de vida, aliada à aceitação da idade. 
Portanto, nada de “antienvelhecimento” mas, sim, de velhice com saúde ou, ainda que com algum problema, velhice com qualidade de vida.





quarta-feira, 20 de junho de 2012

Delicadeza





O nome do filme diz tudo. 
É um filme de amor delicado, amor romântico, amor que vai surgindo aos poucos e crescendo.
Numa época de amor “violento”, de amor apressado e sem conquista, causa até surpresa um filme como “A delicadeza do amor”.
E quem viu e gostou da Audrey Tautou em “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain”, vai novamente se encantar com ela.
Ao seu lado, François Damien, ótimo no papel de um sueco tímido e sensível.
A direção é de dois irmãos, David e Stéphane Foenkinos, sendo que David é o autor do bem sucedido livro que inspirou o filme.
O filme tem drama, comédia, romance, tudo na medida certa, ou seja, como pode acontecer, e acontece, na vida real. E há alguns críticos de cinema dizendo que ele deverá ser o filme do ano de 2012.
Uma coisa parece certa. Será difícil bater tanta sensibilidade e ternura.







segunda-feira, 18 de junho de 2012

Companhia querida





Alerta: Conversa de vovó.


                                        Crédito da foto: Isadora.


Depois de cinco dias inteiros na casa da vovó, "minha menininha" voltou para sua casa, em São Paulo.
Como estava muito resfriadinha, e o tempo muito ruim, as distrações foram todas dentro de casa.
As bonecas e a lousa ainda têm seu espaço nas brincadeiras, mas agora entram o computador, a máquina fotográfica, os jogos.



                                                         

                        Isadora vestiu sua roupa de caipirinha, para desenhar e decorar a mesa.



                                                   A grande atração era o netbook.
                                        Depois de ver suas fotos quando "nenezinha", Isadora passou a  escrever "uma matéria".


                                            Jogando e "escrevendo"um texto enorme.


Com a máquina fotográfica, ou o meu iPhone, ela se distraiu tirando fotos dela mesma, e fazendo diversos filminhos.

                                                            Fotos tiradas por ela.


Na cozinha, a assistência em alguns bolos. A seu pedido, tivemos o de laranja, e o de chocolate.




Perto de completar 6 anos, a Isadora já faz uma boa companhia. Passávamos o dia, juntas.
Na televisão, não quer assistir o "Discovery kids". Diz que não gosta mais, assim como da Branca de Neve, Chapeuzinho Vermelho e até das Princesas.
Agora quer assistir somente o "Disney Channel". 
Seus dois dentinhos incisivos inferiores já caíram, e os permanentes estão crescendo.
Agora é a vez do incisivo superior. Um deles está totalmente mole, e afastado do seu lugar original. Logo estará um pouco mais banguela.
Até assusto. "Minha menininha" está crescendo. Rápido demais.
Na hora de ir embora, coloquei numa embalagem plástica os pedaços do bolo de chocolate para ela levar.
Ela me disse:
Obrigada, vovó. Mas faz uma coisa: tira uns pedaços para você e para o vovô.
Linda!


                                                           Foto tirada pela Isadora.



sexta-feira, 15 de junho de 2012

Doce carinho








Hoje, logo cedo, tive aquela sensação gostosa de abrir a caixa de correspondência e encontrar duas cartas carinhosas. Só que, como vivemos no tempo da internet, as cartas vieram na forma rápida do e-mail.
A primeira, de uma leitora “antiga” do meu blog.
Diz ela que eu não a conheço, mas que acompanha meu blog desde 2009. Diz, ainda, que gosta muito dos meus posts “sobre a vida, o mundo, sobre nós”, e que minhas lembranças reavivam as suas. E daí, num gesto gostoso de amizade, mostra preocupação comigo, pois percebeu que eu não tenho postado ultimamente, e deseja que isso esteja acontecendo somente por causa da corrida “boa” da vida.
Senti todo gostinho bom do afeto, ao ler esse e-mail carinhoso.  
E o outro e-mail, veio de um jovem querido, que praticamente vi crescer (embora à distancia), e com quem não encontro há bastante tempo.
Não sei como ele encontrou meu endereço eletrônico, pois provavelmente desconhece meu blog.
O fato é que, escrevendo com carinho, ele disse que estava testando meu endereço eletrônico, pois gostaria de me enviar seus trabalhos artísticos, para que eu os conhecesse. E, tocando meu coração, completou dizendo que queria me mostrar seu trabalho pois, grande parte do seu gosto pela pintura, tinha vindo a partir da minha mãe e dos materiais que ela havia lhe dado há tempos.
Lembrei que, realmente, minha mãe tinha um cavalete, algumas telas e muitas tintas, que já não estava usando, e que, ao ver o talento do então garotinho, nos cadernos de desenho, presenteou-o com o material.
Iracimara e Lucas,  adorei o contato de vocês, e a vocês devo o feliz início desse dia.
E, embora, na correria “boa” da vida, dei um jeitinho de aparecer por aqui, para registrar como esses gestos de amizade são importantes na vida.  



quarta-feira, 6 de junho de 2012

Nova mulher






Seis meses de alongamento e musculação, pouco mais de dois meses de hidroginástica.
Já estou me sentindo uma nova mulher.
Eu, que não tinha o hábito de exercícios físicos, comecei esse programa por obrigação e, agora, já o estou executando com prazer.
E o melhor: os bons resultados estão sendo sentidos.
Estou fazendo com mais facilidade muitos movimentos do dia a dia, tais como prender a presilha de determinados sapatos, subir e descer escada com firmeza e rapidez, e outro dia até consegui abrir uma tampa de garrafa d’água, daquelas bem enroscadas.
Sempre me achei muito sem força, e já havia dito para o Berto que, se eu dependesse de uma garrafa d’água, e estivesse sozinha, acabaria morrendo de sede.
Percebo, então, que fazendo os alongamentos, “puxando ferro” (como diz o Gustavo), e fazendo verdadeiros malabarismos dentro da piscina, estou realmente fortalecendo a musculatura.
Agora só falta atingir o objetivo imediato que me atirou para toda essa programação: a cura da dor na perna.
Não é que essa danada, que chega toda noite, e que toma conta da minha perna direita, mesmo com todo esse esforço, ainda insiste em dar o ar da sua graça?
Acho que terei que retomar as rezas a São Servatius.