segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Branco que te quero branco



Enfim, depois de muito pensar sobre cabelos brancos, e de escrever alguns textos sobre o tema, estou em feliz convivência com eles.
Como escrevi aqui em dezembro de 2013, havia resolvido dar uma trégua no combate aos fios brancos, para deixá-los brotar livremente.
Embora, até então, só retocasse a tintura de mês em mês, e fizesse “luzes” (ou reflexos) semestralmente, estava cansada dessa quase que obrigação.
Passei, então, a desenvolver uma curiosidade enorme de saber como estaria meu cabelo natural.
Seriam muitos os fios brancos?
E, também, passei a ter a vontade de acompanhar, dia a dia, o envelhecimento dos fios. Não queria ser surpreendida por uma cabecinha totalmente branca, caso continuasse a usar tintura, deixando para abandoná-la quando muito mais velha. Queria ver os fios brancos aumentando aos poucos.
Assim, a partir de outubro de 2013, renunciei, totalmente, à tintura dos meus cabelos.
Aos poucos, os fios brancos foram aparecendo, e sendo saudados com prazer. Estava me sentindo tão bem, que nem os enxergava como brancos mas, sim, como prateados.
Passados 9 meses, e depois de alguns cortes, consegui, há alguns dias, remover todo o cabelo destoante, e que ainda conservava um resto de tinta.
Viva!
Estou com meu cabelo totalmente natural.
E tive a surpresa de verificar que ainda tenho muitos fios escuros, principalmente na parte de trás da cabeça. Todos no tom original do meu de cabelo, um tom castanho acinzentado que não se encontra nos catálogos de cores das tinturas. Tom, esse, que combinou muito bem com os fios brancos que passaram a contornar, em total liberdade, meu rosto dessa fase da vida. 

                                                   19/10/2013 - última tintura 

Final de dezembro de 2013

28 de fevereiro de 2014

Primeiro de abril de 2014

3 de maio de 2014

24 de maio de 2014
  
                                                                7 de junho de 2014

                                                                27 de junho de 2014

                                                                  18 de julho de 2014


23 de julho de 2014


segunda-feira, 28 de julho de 2014

Férias com a vovó


(Alerta: conversa de vovó. Para registro).



E as férias da Isadora, com a vovó, chegaram ao fim. Ela já voltou para São Paulo, e logo retomará suas atividades escolares.
Passou bastante tempo com a vovó. Tempo suficiente para mostrar os saltos de desenvolvimento entre umas férias e outras.
No meio das férias, seu aniversário. Completou 8 anos. 
Viajamos alguns dias, como estou mostrando em posts separados, e o resto do tempo passamos praticamente em casa. Poucas saídas, poucos passeios, pois nesse ponto ela continua a mesma: adora ficar em casa. É um pouco difícil convencê-la a "ir para a rua”.
Nessa temporada, o que aconteceu de diferente foi seu interesse pela arrumação do quarto e das gavetas. Sentia um prazer muito grande em organizar, e dar seu toque pessoal a uma mesa, penteadeira, cama ou gaveta.
Mesmo encontrando a cama arrumada, desmanchava-a e arrumava do seu jeito.
Começou a organização arrumando as gavetas do seu banheiro. Depois, passou dias pedindo que eu a deixasse arrumar as gavetas do meu. Eu adiava pois teria que selecionar os “trilhões” de itens que tinha nas gavetas mas, por fim, achei que essa era uma boa oportunidade para me desfazer do que já não usava.
E fiquei surpresa com seu senso de organização. Começou por uma gaveta de toalhinhas de mão. Dobrou todas da mesma forma, deixando a arrumação bem funcional.


E fez isso com todas as gavetas do banheiro.  Cada coisa no lugar certo.
No seu quarto, arrumou a penteadeira, fez murais de fotos, e improvisou uma escrivaninha. Aproveitou minha mesa da máquina de costura e organizou um pequeno escritório, com todos os objetos que precisava para escrever ou desenhar.


Mas, na verdade, pouco escreveu. Está cada vez mais conectada na internet, usando seu iPod em todos os momentos que consegue. Descobriu muitos recursos, e ajudou a vovó em dúvidas sobre aplicativos ou outras facilidades.
Outra novidade dessas férias foi seu interesse por maquiagem. Trouxe uma frasqueirinha com batons e outros que tais, e exercia seu ofício de maquiadora na sua mamãe. Arrumava uma bancada com todos os batons abertos, "blush", rímel etc. e atuava com concentração. 

Quando ia passear, usava um batom rosinha.
E o interesse pela cozinha, manteve-se vivo. Agora já quer fazer receitas que encontra pela internet, como a do Bolo Ostentação, ou Bolo Bomba, como ela própria denominou.


É, minha menininha está crescendo rápido.
Fizemos poucos, mas bons passeios.
Estivemos na Bolsa do Café e na Pinacoteca Benedito Calixto, e ela gostou muito de conhecer a história desses lugares.
Dois prédios de arquitetura linda. O primeiro, no centro antigo de Santos, e o segundo, localizado de frente para o mar
Na Bolsa, verdadeiro palácio, funciona o Museu do Café, com muitas informações interessantes.



Na Sala dos Pregões, vitral e painéis importantes de Benedito Calixto, renomado pintor nascido na vizinha Itanhaém.



E, depois da visita ao museu, um gostoso milk-shake.


Na Pinacoteca, um lindo casarão branco, com jardins maravilhosos, há o acervo permanente, com obras de Benedito Calixto, e exposições temporárias.



Foram passeios diferentes que agradaram bastante a netinha, e também a vovó, que sempre gosta de repeti-los.
Estivemos, também, no Museu de Pesca, para ver, entre outras coisas, sua grande atração que é um esqueleto de baleia. 







O Museu de Pesca passou por reforma grande, mas o esqueleto da baleia está na mesma sala de sempre, que recebeu alguns melhoramentos. Lembro bem do dia em que, com minha mãe, levei a Priscila e o Gustavo para vê-lo. Infelizmente não consegui localizar a foto que tenho bem na memória, do Gustavo e Priscila dando as mãos para a vovó Norma. Coloco, agora a foto do Gustavo que, na ocasião, tinha pouco mais de três anos e espero logo encontrar a outra.

E, assim, as férias passaram num instante e chegou o dia de voltar para casa.
Antes de sair para São Paulo, a Isa me chamou: vovó, vem ver o que eu estou fazendo.
Estava arrumando a cama, deixando como seu toque um travesseiro colocado de forma enviesada, com fronha florida.
Vou ter saudades, minha linda. 


sábado, 19 de julho de 2014

Olhando para os lados.

 
Olhando para os lados, sempre encontramos coisas curiosas, ou diferentes do habitual.
Na minha última viagem, a tradição de cruzar com casais de noivos, logo após o casamento, manteve-se por inteiro. E lindamente.
Já contei por aqui, em outra ocasião (14/06/2013), como cruzei com noivos em diversos lugares:  Veneza, Roma, Paris, Nova Zelândia, Barcelona, entre outros.
Agora, foi a vez de Nova Iorque, mais especialmente no Brooklyn.
O casal de noivos estava acompanhado por casais de padrinhos, todos muito alegres e vestidos com elegância.






Foram momentos muito agradáveis, num lugar com grande beleza, e participando, à distância, da alegria do grupo.
E no Lincoln Center, passeio imperdível em Nova Iorque, bastou olhar para os lados para ver figuras que pareciam saídas das páginas do blog Advanced Style, a que também já fiz referência (11/04/2013).
Troquei algumas palavras com a senhora de branco, e senti não ter chegado ao local com mais tempo para poder bem observar o movimento intenso daqueles que estão aguardando o início de espetáculos.







O lugar é lindo. Uma praça enorme, cercada por prédios fantásticos, ligados à cultura e à arte. Nessa noite assistimos ao balé Lago dos Cisnes, no maravilhoso Metropolitan Opera Theater.





E até num pequeno e charmoso supermercado, na Grand Central Station, olhei para os lados e vi algo que me chamou a atenção: tomates bem diferentes.



Já havia visto, em outro local, pimentões alaranjados, entre nossos conhecidos verdes, vermelhos e amarelos. A foto não registrou bem essa nova cor mas, ao vivo, os pimentões chamavam a atenção. 



Os passeios foram muitos e variados. Sempre olhei muito para os lados, aproveitando para encher meus olhos, e minha memória, com belezas mil.