terça-feira, 8 de março de 2016

É a vida.






Há bastante tempo ela queria um cachorrinho, mas o fato de morar em apartamento, e de ainda ter pouca idade para se responsabilizar por cuidados, foi adiando a realização do sonho.
Até que, em primeiro de fevereiro foi com sua mamãe a um órgão municipal de adoção de animais, para escolher seu cachorrinho.
Na verdade, quem a escolheu foi o animalzinho, que se chegou procurando colo. Vivia ali há algum tempo, com idade calculada entre 7 e 8 anos, o que levou o veterinário a perguntar-lhe se não preferiria esperar um filhote.
Ela não quis esperar. Ficou firme na escolha, e saiu feliz com o seu “Zig”. 
Embora tivesse pensado em outros nomes, conservou aquele que o acompanhava. 
Sua mamãe agendou veterinário, que atestou as boas condições físicas do cachorrinho.
E daí, começou a nova rotina na casa.
A menininha acordava cedo e já se arrumava para descer com seu cachorrinho. Na hora da escola, o Zig ia acompanhando sua caminhada. No final das aulas, lá estava ele esperando por ela.
Em casa, brincadeiras, muito carinho, muito envolvimento.
De repente, o Zig ficou doente. Um veterinário, outro veterinário. Exames de sangue, eletrocardiograma, ultra-som.
Falta de diagnóstico.
O Zig não quer se alimentar. Papinhas feitas com todo amor. Não quer. Só aceita água.
Idas à clínica para tomar soro.
Até que, no dia 3 de março, na clínica onde tomava soro, ele fechou seus olhinhos para sempre.
Disse o veterinário, então, que na verdade ele não teria 7 ou 8 anos mas, provavelmente, 15 anos.
Zig viveu seu último mês em amor total, fazendo a menininha muito feliz, mas deixando uma grande saudade.
E Isadora, minha querida netinha, nos seus 9 anos de idade, passou num só mês por uma intensa e dolorida experiência de vida. 


Alguns registros felizes:

1. Zig entrando para a família.


2.Recebendo carinho.




3. Brincando no Carnaval.




4. Fazendo feliz.

E, como final, palavras escritas pela Isadora no seu Instagram sobre o Zig:
" Meu querido Zig, nunca vou te esquecer .nesse último mês da sua vida, você me deu todo o seu amor e eu te dei o meu. 
 parece que todo esse mês passou em uma hora! Foi muito rápido, mas com certeza esse foi o 
melhor mês da minha vida. Mamãe vai sempre te amar! 




6 comentários:

  1. Nooooooossa! Me emocionei aqui!

    Que sorte teve o ZIG que em seus últimos tempos de vida, tanto amor ganhou Linda e querida a Isadora! Está enorme! Imagino a tristeza, pois sabemos bem disso, quando nossa CUCA I morreu, com 15 anos!

    Agora temos A CUCA II já com quase 14 anos...O tempo passa ! beijos e beijinhos pra Isadora também! chica

    ResponderExcluir
  2. Helô que saudades desse cantinho. Fiquei surpresa em ver como a Isadora cresceu! Apesar da história ser triste com a morte do zig, acredito que também deve ter sido uma experiência muito rica - Houve uma troca imensa de amor, a perda e a consciência de que estamos todos de passagem. Muito bom estar aqui com vocês. Bjs coração Yvone

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Yvone,
      Que alegria reencontrá-la. Quanto tempo sem nos falarmos.
      Vou procurá-la no seu blog.
      Beijos.

      Excluir
  3. Sei bem o que é isso, Helô! Já perdi vários "amiguinhos" desses. O melhor remédio é colocar outro no lugar, como venho fazendo.
    Bj,
    Lylia

    ResponderExcluir
  4. Que linda história, Heloísa! Triste, mas linda. Que experiência enriquecedora para a sua neta. Ela certamente nunca vai esquecer este companheiro de um mês tão intenso. E ele teve o final de vida que merecia, cheio de amor. Um abraço.
    Isabel

    ResponderExcluir
  5. Que amor de menina, a Isadora!
    Que bom para o Zig tê-la conhecido. Há coisas que não se explicam e esse encontro é uma delas.
    Agora, o melhor é ela ter um filhotinho mesmo.
    Beijo na Isadora, meu carinho para ela.
    Beijo, Heloísa.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.