sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Eu e minhas emoções



Fui a uma feira de antiguidades, e chorei.
Não, não estava triste. E nem o lugar era triste.
O dia estava lindo e a praça, onde a feira se realiza semanalmente, estava resplandescente de alegria.
É que existem ocasiões que funcionam como gatilhos para despertar lembranças, e fatalmente provocam emoções.
Encontrei numa barraca, muito bem arrumada, alguns exemplares de uma revista editada em Buenos Aires, e fui transportada de imediato para anos atrás.
E vi as revistas sendo trazidas por meu pai, para presentear minha mãe. Não sei se uma vez por mês, ou com outra periodicidade.
Mas vi minha mãe lendo, e se familiarizando com a língua espanhola.
Também lembrei que, manuseando essa revista de alta qualidade, eu e especialmente meus irmãos pouco mais velhos (tenho três irmãos que me antecederam, e cinco que nasceram depois de mim) tivemos nossos primeiros contatos com o espanhol.
Já havia procurado essa revista em outras ocasiões nessa mesma feira, a Feira de San Telmo, mas não as havia encontrado.

                                                                     (clique para ampliar)

Dessa vez, inesperadamente (e daí, talvez, a emoção), enxerguei as capas inesquecíveis, e as letras grandes: PARA TI.
Eram exemplares com mais de 60 anos ! Intatos!
Separei alguns, e a vendedora percebendo meu estado de nostalgia, mesclado com alegria, me disse: não se emocione.
Mas, não teve jeito. Não sei fugir da emoção. E, também, não há motivo para isso. Afinal, são emoções boas. Decorrem de um passado que merece ser lembrado, e das coisas boas que já vivi.


Quando cheguei da viagem, fui visitar minha mãe e levei as revistas para ela. Não demonstrou ter lembrado da sua companheira do passado, mas leu bem o nome da revista, bem como alguns títulos que eu lhe mostrei. Achou as capas lindas, e quem sabe, bem lá no fundinho, ela conseguiu reviver o prazer que a leitura de PARA TI lhe dava.

21 comentários:

  1. Feira de San Telmo, Buenos Aires? Você foi longe assim no Carnaval, minha amiga? Que delícia!
    Muito boa sua emoção. Também sou assim, sentimental demais.
    Bj

    ResponderExcluir
  2. Coisas lindas essas rcordações e que bom quando as revemos em algum lugar!Lindo isso, emocionar-se faz bem!beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. Chorar com essasemoções é muito bom não é? Bom termos lembranças gostosas que nos enchem de saudades.

    Adoro essas feiras de antiguidades.

    beijo e ótimo final de semana :)

    ResponderExcluir
  4. Agora quem ficou com saudade fui eu, Helô... Também passei um carnaval na linda Buenos Aires uma vez, e fui passear nessa feira, que transborda cultura. Você foi na linha A do metrô ? Ainda tem os vagões de madeira e as estações com mosaicos no piso ?

    bjobjo

    ResponderExcluir
  5. Helô,
    vc está em Buenos Aires...cidade linda! Esta feira e este bairro realmente são muito interessantes.
    Espero que vc conte aqui mais sobre a viagem.
    Bijos.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Helô
    Viajr é tão bom!
    PARA TI muita serenidade e harmonia interior...
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. O melhor do passado são as memórias boas :)

    ResponderExcluir
  8. Helô..menina..me deu saudades tambem!!!saudades de Buenos Aires..feira de San Telmo!!!tudo de bom!!!e..estava quente por lá tambem?que viagem otima amiga..bjus

    ResponderExcluir
  9. Oi, Heloisa,

    Estou correndo, nesse fim de semana, tendo de ler as postagens dos blogs nos intervalinhos para as refeições. Mesmo assim cheguei a ler este post sobre a revista (o qual me fez emocionar com a sua emoção) e dois ou três anteriores. Gostei do seu jeito de escrever. Acho que você tem talento para a escrita.

    Beijinho, boa noite e bom domingo.

    ResponderExcluir
  10. Oi Helô!
    Passei por acaso e gostei mto do seu blog,estou levando algumas receitinhas pra experimentar,obrigada.
    Um ótimo domingo pra vc.

    ResponderExcluir
  11. Helô querida!
    Então estavas em B.Aires!
    Adoro esta cidade e San Telmo é realmente muito legal.
    Que bonita e emocionante recordação você teve, mais que sua própria mãezinha, mas valeu a pena ter trazido para ela os exemplares.
    Adorei ver as fotos!bjs cariocas

    ResponderExcluir
  12. OI Helo, bom domingo pra vc e toda sua familia
    bjuss

    ResponderExcluir
  13. Querida,
    viajei com vc e marejei...
    uma excelente semana!!!!
    Com carinho,

    ResponderExcluir
  14. voce vai fazer "rachar" o meu coraçao, heloisa... obrigada! beijocas. regina.

    ResponderExcluir
  15. Que lindo! Até eu chorei! Linda a história, o nome da revista e o gesto do vovô... Realmente uma bela lembrança, não dava para não chorar.
    bjs,
    Pri

    ResponderExcluir
  16. Que belo post, como sempre, sensível!
    Emoções fazem toda a diferença... dão tempero à vida, né mesmo?
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  17. Admiro tanto a tua sensibilidade, lindo o gesto de levar as revistas para sua mãe.... uma linha de comunicação excelente para trazer á ela as lembranças, creio que ficando mais tempo em contato com as revistas as lembranças maiores virão, tenho feito isso a minha mãe, albuns de fotos, objetos que estavam guardados, e acho muito gostoso quando ela me liga e alude fatos aos objetos... como a sua, aos 90 anos, a memória vai faltando.

    beijinho

    ResponderExcluir
  18. Oi, Helô!
    Vc está ou foi recentemente a Buenos Aires? Ou será que existe uma feira homônima aí?
    Esse negócio de memória é surpreendente mesmo, vai buscar emoções lá do fundo do baú.
    Um cheiro enorme pra vc! Adorei a história do pierrô.

    ResponderExcluir
  19. Oi vovó, adoraria poder fazer amizades e trocar comentarios, adorei seu blog, sou blogueira iniciante, adoro conversar com pessoas mais velhas pois acho q sempre temos algo a aprender com elas. Bjos

    ResponderExcluir
  20. yara vitillo achcarsábado, 13 março, 2010

    Querida Heloisa

    Pelo pouco que visitei seu blog, identifico-me bastante com vce.
    Musicas me emocionam muito e me remetem ao passado, talvez pelo fato de meu pai,que era professor de violino, promover saraus em minha casa, durante toda a minha infancia. Eu tbem cantava com os musicos, amigos do meu pai, e tudo isso fez muita diferenca no meu modo de ser, ou seja, foi bastante positivo.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.