terça-feira, 8 de março de 2011

Carnaval sem carnaval ?



Há uns tempos atrás era difícil atravessar-se os dias de carnaval sem se sentir, de alguma forma, envolvida por ele.
Bastava sair-se à rua para perceber-se o clima de carnaval. Crianças fantasiadas, serpentinas e confetes, marchinhas por todos os lados.
Agora, ou se vai atrás do carnaval, ou passa-se os dias em “brancas nuvens”, sem qualquer sinal de folia.
O carnaval, na verdade, “acontece” somente nos desfiles programados das escolas de samba, trios elétricos, e em alguns clubes. Carnaval autêntico, de rua, parece que só ocorre nas cidades tradicionalmente carnavalescas, principalmente no nordeste do Brasil.
Estava justamente pensando nisso quando saí para um programa de domingo, em São Paulo.
Primeiro, um almoço muito gostoso num restaurante “português” da Vila Madalena, o “Ora Pois”. No caminho, tranquilidade total. Como se não estivéssemos em São Paulo. Um mínimo de trânsito e nenhum sinal de carnaval.
Depois do almoço, fomos para o Museu da Casa Brasileira para um programa musical: "Florilégio”, teatro musical com os atores e cantores Mira Haar e Carlos Moreno (o conhecido "garoto-propaganda" Bom Bril).



Achei o programa muito criativo e útil, pois impresso em papel-cartão na forma de uma ventarola. De um lado, foto dos atores e, do outro, o repertório musical. Entre as músicas, nenhuma de carnaval.



O espetáculo, na verdade, é um grande “pout-pourri”, intercalado com algumas brincadeiras. Músicas bem escolhidas. No final, muitos aplausos.
E foi, então, que inesperadamente o clima do carnaval passou a nos envolver. Terminado o espetáculo, de imediato passaram a ser tocadas e cantadas as marchinhas carnavalescas tradicionais, surgindo serpentinas de todos os lados.





E eu, que achava que não iria ver nem sinal de carnaval, me vi no meio de um grande público cantando e “marchando” ao som tão gostoso das músicas dos outros tempos.
É, tive que reconhecer que o carnaval ainda nos alcança, mesmo sem irmos atrás dele.





10 comentários:

  1. Maqs que legal! Um programa e tanto e ainda com direito a foto com o ator! Lindo! beijos,parabéns pelo nosso dia!chica( eu não vi nada, nada, por opção...preferi sair apenas um dia ao encontro da natureza e depois, casa, marido,filhos e netos)Muito legal!

    ResponderExcluir
  2. Que bom progrma, Heloísa.
    São Paulo é mesmo rica culturalmente.
    Não sei o que acontece em BH, mas parece cidade fantasma no Carnaval.
    Talvez porque mineiro não pode saber de feriado prolongado e logo corre pra pria...Ou pra estâncias de águas minerais. Ou pras cidades históricas, tão pertinho, dá pra ir e voltar, se assim quiserem (algumas, há outras mais longe).
    Teatro aqui, nesses dias? nem pensar!
    Um próximo carnaval, quem sabe não passo aí em Sampa com você?
    beijos!

    ResponderExcluir
  3. Achei super interessante e divertido esse seu programa!
    Esse ano não viajei para a praia, onde sempre tem um carnavalzinho (na rua ou em casa dos amigos) simples, mas bacaninha para se divertir ....
    Não vi a não ser na televisão (um pouquinho, não tenho paciência para ficar a noite toda).
    Vi também um bloco de homens vestidos de mulher, até que bem elegantes rsrsr mas em Maricá, aqui perto de Niterói.
    Fora isso, adeus Carnaval, só ano que vem .......
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Helô,

    Eu vou te confessar uma coisa: não gosto de Carnaval. Acho que o Carnaval hoje é um "se jogar" na libertinagem e irresponsabilidade, de um modo mais que temerário.
    Mas gosto das músicas e do conceito de Carnaval do passado e inclusive sei a letra de muitos dos sambas e marchinhas clásicos, rsrs. Este seu programa, porém, foi muito bacana, gostei!

    Um beijo

    ResponderExcluir
  5. Muito criativo mesmo o programa.
    Esse ano o carnaval do Rio renasceu com toda força. Sempre tivemos alguns blocos, mas esse ano, par avc ter idéia, hj sairão 41 blocos. Eu prefiro ficar quietinha em casa :)

    beijo e ótimo dia

    ResponderExcluir
  6. Você está certa! E tb é possível ficar em São Paulo sem nem perceber o Carnaval. Eu até que saí bastante, fui a cinemas, encontrei com amigos, e não vi nem ouvi nenhuma referência momesca. Muito legal o seu programa. E o do Sesc? beijos

    ResponderExcluir
  7. Muito bom, Helo, que programa gostoso!
    Eu curti meu neto, fomos apenas ã matinê, mas tinha bem pouca gente! Aqui também o Carnaval está bem fraco...lembrar o que eu brinquei...mas, é fato!
    Bjs e otimo restinho de semana...

    ResponderExcluir
  8. OI Helô, eu aproveitava o Carnaval pra ir pra praia, e descansar, isso depois que comecei a fazer faculdade que era todo ano a mesma turminha.bjusss

    ResponderExcluir
  9. Helô,
    Meu sonho é passar algum dia o carnaval em Sampa. Sabe porquê?
    Porque aí nada pára e tem sempre algo pra se curtir.
    No Rio e cidades próximas como Niterói, tem agora o tal carnaval de rua que está crescendo assustadoramente há 3 anos. Eu tenho é medo, mas meu filho e de algumas outras amigas, cairam na folia nestes blocos, formados em sua maioria de jovens bonitos e garotas lindas. Um carnaval pra galera bonita, jovem e que não curte escolas de samba e todo aquele aparato televisivo que acontece hoje.
    Eu, fiquei lá em cima, na serra, quieta, tranquila e relaxante.
    Fiz até um cantinho zen para curtir, qualquer hora falo lá no blog.
    Adorei ver teu programa legal e o leque fiquei de olho, pois não é que voltou a moda de leques neste verão! Tenho pelo menos uns 3 nas bolsas. haha
    bjs cariocas

    ResponderExcluir
  10. D Helô!

    Sei que este post já tem um tempo, mas não podia deixar de fazer uma sugestão.
    Tb moro em SP perto da serra da cantareira, e aqui estrada da Roseria tb tem um "ora pois" a camida a Sra já conheçe, mas o climinha de serra o verde é uma delicia!Qdo a sra tiver uma oportunidade acredito que ira gostar!

    Um beijo

    Daniela

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.