segunda-feira, 22 de outubro de 2012

E se vivêssemos todos juntos?






E se vivêssemos todos juntos?
Difícil! Deve ser bem difícil.
Mas foi o meio que cinco velhos amigos encontraram para talvez se sentirem mais fortes, e enfrentarem os inevitáveis problemas da velhice.
Há algum tempo não havia filmes com a temática da velhice, mas com o aumento da população idosa, e da expectativa de vida, isso tem mudado. Foi o que vimos com “Late Bloomers – O amor não tem fim” e “O exótico Hotel Marigold”.
E isso é muito bom, para provocar reflexões, alertar para os problemas e ajudar a encontrar soluções.
Sim, porque com o aumento da expectativa de vida os problemas vão se avolumar. Serão muitos e muitos velhos precisando de cuidados, atenção, moradia.
E a sociedade precisa acordar para essa realidade.
Precisa se preparar. Precisa descobrir formas de apoio e soluções institucionais.
O filme “E se vivêssemos todos juntos” ( Et si on vivait tous ensemble) nos faz pensar muito. É um filme que mostra, com carga de veracidade, vários dos problemas da velhice. É uma história praticamente “real”, mostrada por atores “reais”, no sentido de que todos os cinco são idosos, pois a mais nova, Geraldine Chaplin tem 68 anos, e o mais velho, Claude Rich, tem 83 anos. Ainda no elenco dessa produção franco-alemã, dirigida por Stephane Robelin, estão Jane Fonda, Guy Bedos, Pierre Richard e o jovem Daniel Bruhl.
Mas tudo é mostrado sem drama. Com delicadeza e um leve humor.
E em mais de uma passagem, mostra como a simples visão de crianças brincando traz uma ar de felicidade para os velhinhos.
Gostei.


12 comentários:

  1. Já tinha vontade de ver ,agora com teu aval, mais ainda!! Deve ser no mínimo, interessante!! beijos,tudo de bom,chica e linda semana!

    ResponderExcluir
  2. Vi sobre esse filme, no Facebook e até postei lá que seria muito difícil de dar certo, mesmo. Mas que é uma ótima solução, é. Principalmente para os familiares.
    Na mesma porporção que a população está envelhecendo, os filhos estão "descartando" os pais, como se não fossem "problemas" deles.
    O importante é manter a saúde, para termos autonomia para viver sozinhos. Ou acompanhados por amigos.
    Pensando por mim, não vejo com quem poderia viver junto, numa boa...rsrs
    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Não tinha ouvido falar sobre o filme até ler seu post. Deve ser muito bom. Seguirei sua recomendação, Heloisa. Um abraço, Paula

    ResponderExcluir
  4. Oi Helô,
    Saudades de vir aqui.
    Gostei da dica.Tenho pais com mais de 80 anos e já percebo as limitações e as necessidades da idade.
    Vou assisitr para ajuda-los nesse processo.
    Bj e ótima semana,
    Lylia

    ResponderExcluir
  5. Tô louca pra ver, amiga! Deve ser ótimo como foi o Hotel Marigold que eu vi e amei.
    Mas, eu acho que não dá certo, sei lá, os seres humanos são complicados em todas as idades, mas sua reflexão é muito pertinente, pois há o que se pensar para fazer com este número enorme de pessoas que estão na terceira idade ou prestes a entrar nela. Os velhos de hoje e do futuro, querem também uma fatia desse bolo gostoso que é a vida, né mesmo?
    bjs cariocas


    ResponderExcluir
  6. Também não conhecia o filme, vou anotar para vê-lo neste fim de semana...estou aprendendo a conviver com a idade que chega e começo a ficar rodeada de idosos!

    Abraço

    ResponderExcluir
  7. Boa dica,
    Já vou ver se encontro por aqui.
    Beijos mil

    ResponderExcluir
  8. Concordo, muito boa a reflexão. Fala-se sobre o aumento da expectativa de vida, sobre o envelhecimento da população, mas pensar e planejar soluções me parece que ainda não é pauta...
    beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi, Helô,

    Boa dica! deste eu ainda não tinha conhecimento. Acho muito apropriado que se iniciem as reflexões e discussões sobre o envelhecimento da população, pois ser apanhado de surpresa por uma situação que tem as suas complexidades não é a atitude mais inteligente.
    O ser humano é complexo, viver junto não deveria ser problemático, principalmente se se tratar de parentes, já que há o afeto e tal, mas sabemos que isso nem sempre funciona, rsrs.
    O melhor mesmo é gozar de boa saúde e ser auto-suficente, não é verdade? rsrs.

    Beijo e boa noite.

    ResponderExcluir
  10. Voltei aqui pra dizer que assistimos e gostamos. Faz pensar.
    Aproveitar o que temos, pois perdemos sempre um pouco mais!
    O engraçado é que o público naquela tarde, era composto apenas de "jovens",rs Foi muito legal! beijos,linda semana!chica

    ResponderExcluir
  11. Oi Helô,
    já está anotada a dica e junto com ela a reflexão oportuna que vc traz.O Brasil há muito deixou de ser o país dos jovens.Há que ter políticas públicas voltadas em vários setores para o eficaz atendimento a esta crescente parcela da população, afinal, são todos cidadãos e na maioria, pagantes de seus impostos.
    Tenha uma ótima semana.
    Bjos,
    Calu

    ResponderExcluir
  12. Oi minha amiga

    Depois de ler sobre a beleza e a Fé ue trouxeram as rosas vermelhas de Santa Terezinha, este seu outro post me chamou atenção, pois eu também indiquei este filme no EternosPrazeres, pois eu gostei demais, um olhar divertido e talvez até mesmo descontraído sobre esta fase da vida,

    Muito bom, também gostei!

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.