quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Tradição gostosa









  
Nunca fui carnavalesca, nem nos tempos da mocidade. Gostava mais dos corsos, do que dos bailes.
Mas sempre gostei de ver as crianças fantasiadas, e de ouvir as marchinhas e os sambas, que eram renovados ano a ano. No mês que antecedia o carnaval, as músicas novas eram repetidas exaustivamente no rádio, e facilmente memorizadas.
Quando chegavam os dias de “folia”,  as músicas do ano juntavam-se às musicas antigas, e eram cantadas por todos, foliões ou não.
E são exatamente essas marchinhas, e esses sambinhas antigos, da década de 60 para trás, que continuam a animar os bailinhos carnavalescos de hoje. São as músicas lembradas em todos os carnavais.
Acho uma delícia escutá-las e poder cantá-las.
Samba-enredo, repetitivo, é para as passarelas. Não empolga, e acho difícil que se perpetue.
E no tranquilo carnaval desse ano, passado em São Paulo, reservamos uma tarde para levarmos nossa menininha, de “mulher maravilha” até um gostoso bailinho em uma das unidades do SESC.

A caminho do carnaval.


Fantasia de presente de carnaval, criada pela Isadora para a Pri.
“Quanto riso, quanta alegria,
mais de mil palhaços no salão...”
Muito confeti, muita serpentina.
E a vovó até deu uma dançadinha com sua netinha, ao som das mesmas músicas do seu tempo de criança.
Tradição prazerosa.




O calor apertou. O jeito é tirar as botas.



Alegria. Joguei confeti na mamãe.


Pedacinho colorido de saudade.




9 comentários:

  1. Muito lindo o post e as fotos! A fantasia Presente de Carnaval está ótima, que menina criativa!!!! rs Mas só faltou explicar o corso para as novas gerações!!!!
    beijos e obrigada pelas postagens e companhia sempre ótimas.

    ResponderExcluir
  2. Muita alegria da sua menina podemos acompanhar em suas fotos. bjs

    ResponderExcluir
  3. Eu sou fã de Carnaval, Helô, mas não dos carnavais atuais...sua neta está cada dia mais linda, bjs,

    ResponderExcluir
  4. Que coisa linda!Pegaste um momento melhor que o outro e a espontaneidade daquela dela tirando as botas...Um amor!!! Valeu,né? beijos,chica

    ResponderExcluir
  5. Oi, Helô,

    Eu sou uma "carnavalesca" igual a você! rsrs. Quem dera que o carnaval fosse como o que as crianças brincam! Eu já fiz reflexões assim muitas vezes, embora reconheça que a gente pode muito bem fazer como você fez com a Isadora, cair na folia como uma criança, ooops, com uma criança.
    Este ano, mesmo doente, me veio à mente a marchinha dos anos 70, da Dircinha Batista: "Hoje, eu não quero sofrer, hoje eu não quero chorar, deixei, a tristeza lá fora...", rsrs.

    Um beijo e boa noite!


    ResponderExcluir
  6. A Isadora está cada dia mais linda, HelÔ! Lindas fotos.
    Espero que você já esteja bem. Pelo que percebi,já está, graças a Deus.
    Bj,
    Lylia

    ResponderExcluir
  7. Yo tampoco soy de carnavales ahora, pues de pequeña los adoraba. Supongo que los niños son iguales en todas partes, sólo hay que ver la cara de ilusión de Isadora, está preciosa. Besos

    ResponderExcluir
  8. Linda, lindona, lindinha!
    Cada dia ela se mostra diferente em alguma coisa e está ficando bem parecida com a mãe.
    Estes dias de folia devem ser interessantes quando se tem criança por perto, ver a alegria e participação deles, faz-nos relembrar tantas coisas boas de outros carnavais, né mesmo?
    beijos cariocas


    ResponderExcluir
  9. Poderia ter feito esse post, vejo o carnaval como você.
    Estive em Brasília, para o aniversário dos netos gêmeos, 4 aninhos.Chegamos a ir com eles a um espaço público, para brincarem, imagina que por lá só rolava funk, pagode, nada das marchinhas de carnaval! As crianças não se animaram e logo viemos embora. Todos fantasiados, mas sem entusiasmo nenhum.
    Isadora estava linda, como sempre. Eu também teria muita alegria em me livrar das botas e ficar dançando de pés no chão. rsrs
    Beijos nela e em você.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.