quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Notícia alvissareira



A leitura de jornais usualmente é pesada, e até deprimente.
Notícias desanimadoras, tragédias e problemas sem fim.
Já ameacei deixar de ler jornais, mas é difícil romper um hábito adquirido desde a infância. Assim, depois do café da manhã, começo o meu dia lendo jornais.
Às vezes, aparece algo alentador. E foi o que aconteceu na última semana, quando li, na Folha de São Paulo, sobre o projeto que vai alterar o ensino no município de São Paulo.
Fiquei extremamente animada com a notícia, e com o que esse programa pode representar para o futuro das crianças e, obviamente para a sociedade.
E do que se trata?
Simplesmente de novas regras na avaliação do ensino e dos alunos. E com possibilidade de um maior nível de exigência, com vistas a um melhor aprendizado.
O que ocorre é que hoje só é admitida a repetência no 4º e no 9º anos do ensino fundamental, o que permite que alunos praticamente analfabetos sejam retidos somente no quarto ano. Isso, evidentemente, é um descalabro, e dificilmente haverá recuperação para quem passou pelas séries básicas sem estar plenamente alfabetizado.
O mesmo acontece no segundo ciclo do ensino fundamental. A aprovação, do 5º ao 9º anos é automática, e muitos chegam ao último ano do ensino fundamental sem o devido preparo.
Com o novo projeto de educação, será possível a repetência em praticamente todas as séries do ensino fundamental, quando o aluno não apresentar a evolução necessária.
Mas não é só isso.
Com o novo sistema educacional haverá o resgate de práticas antigas: a lição de casa, o boletim mensal, com notas de zero a dez, a realização de provas bimestrais e os relatórios de acompanhamento. Achei esses pontos muito positivos, edesconhecia que essas práticas tão importantes, como lição de casa e provas de avaliação, eram facultativas.
Haverá, também, um maior apoio aos estudantes, com a criação de recuperação intensiva nas férias e durante o período letivo, e criação de dependências nos 7º e 8º anos, caso o aluno não tenha bom resultado em uma matéria.
Consta, ainda, que esse programa também trará melhorias na infraestrutura do ensino, e na preparação e aperfeiçoamento dos professores.
Torço para que esse projeto, cuja implantação está prevista para o próximo ano letivo, realmente  se transforme em realidade pois, tudo que for feito para melhorar o ensino, merece aplauso.
Palmas para a Prefeitura de São Paulo.

 

6 comentários:

  1. Bom dia, Heloísa!
    Uma boa notícia é sempre o que eu persigo e esta é mesmo das boas, tudo o que tange a educação em nosso país, merece respeito, o cuidado de ler e se interessar.
    Tomara que estas medidas deem certo e que possa se espalhar por outros estados. Não existe nada mais importante para se mexer e endireitar em nosso país do que a Educação.
    Como já dizia o primeiro ministro inglês, Toni Blair, Education, Education, Education em primeiro lugar.
    grande abraço carioca


    ResponderExcluir
  2. Aplausos mesmo pra esse iniciativa. Já é hora de retornar às velhas práticas! beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Olá, querida, boa tarde,

    Nos últimos anos eu também tenho considerado a idéia de abandonar os jornais. E pela mesma razão, rsrs. Até já pensei que qualquer um que passar a publicar um jornal ou revista que noticie mais coisas positivas (verdadeiras, claro), do que negativas, tem alta chance de fazer sucesso, pois todos estamos mais do que saturados de toda a negatividade da vida, né? rsrs.
    Quanto à boa notícia, fiquei também surpresa com as informações sobre a não obrigação, com relação ao dever de casa, e mais ainda com a "proibição", em determinadas séries, da reprovação dos alunos com desempenho insuficiente. Onde já se viu isto? Só no Brasil, certamente!
    É interessante constatar que os métodos educacionais antigos são ainda os mais eficientes, e que as "modernidades" são provavelmente a maior causa de termos uma educação tão precária! Torço para que as mudanças tragam bons resultados.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  4. Uma boa notícia, mesmo, Heloísa.
    Acho a reprovação de ano uma ação dolorosa mas é necessária, se o aluno realmente não tiver proveito. A recuperação, pela própria escola, ao longo do ano, é uma boa. Esta atitude, da prefeitura de SP é louvável.
    Tomara que "puxe" outras prefeituras, em outros estados e/ou cidades, para um comboio forte cruzando as terras do Brasil.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Palmas si paraa la prefeitura, aquí en España también hemos pasado por años de demasiada benevolencia con los alumnos y ahora ellos están pagando las consecuencias cuando llegan a la Universidad, esperemos que poco a poco se vaya solucionando este probema quye va en detrimento de la educación. Un beso Heloisa

    ResponderExcluir
  6. Não sabia desse projeto. Estamos voltando ao passado, bem, pelo menos na minha época era assim: repetia-se a 1ª, 2ª, 3ª série (do primário) e por aí vai. Importante, porém, levar em consideração que um indivíduo não deve ser apenas INSTRUÍDO mas EDUCADO também. Conheço gente bem instruída, mas sem um pingo de educação. É preciso mobilizar a sociedade para iniciativas no sentido de educar. Abraço, Paula

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.