quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Tesouros num armarinho






Depois de uma ida a um “armarinho”, comecei a fazer uns quadrados de crochê, para me distrair. 
Armarinho. Essa palavra pode entrar no rol dos vocábulos fora de moda.
Tanto a palavra, como o comércio, podem ser vistos como antigos. Pouco se vê um armarinho, nas cidades grandes, e temo que esse tipo de comércio acabe desaparecendo.
É uma loja muito interessante, onde se encontra, com facilidade, material para costura, tricô, crochê e bordados. Onde ainda se fala em “ponto ajour” e em caseado.
Fui até um com a Isadora, e essa ida valeu como um passeio. Ela ficou encantada com as prateleiras enormes, repletas de novelos de lã de todas as cores, de caixas com botões, de linhas coloridas.
Escolhi alguns novelos de lã e, antes de sairmos, ela disse que queria falar com a dona da loja.
Tentei saber o que ela pretendia, mas só ouvi que esperasse um pouco.
Assim que apresentada à proprietária do armarinho, a Isadora foi falando: quanto a senhora quer por essa loja?
Em casa, ela se distraiu arrumando os novelos de lã, e brincando de vendedora.
Comecei, então, a crochetar e a Isadora me perguntou o que eu iria fazer. E é claro que pediu para si a manta, assim que ficasse pronta. E ainda pediu que, depois, eu fizesse uma para sua mamãe.



E assim foi. Um quadrado de cada vez, e logo muitos quadrados prontos.



Depois foi só unir todos os quadrados, e deixar minha menininha feliz com sua manta nova.

No sofá-cama, com sua manta de crochê.



Gostei tanto que continuei na atividade. Agora com quadrados um pouco menores, e bem coloridos. Daqui a pouco (?), mais uma manta surgirá.




14 comentários:

  1. rsss..Que querida a Isadora!

    Adorei o desejo de ter uma loja assim, colorida... Rimos aqui, mostrei ao Kiko...
    E tua manta pra ela está linda, rendeu essa ida ao armarinho! tens mãos de fada e logo a da tua filha estará pronta e depois, uma pra ti e assim, sempre terás essas mãozinhas bem ocupadas.LINDO!! Tão bom estar aqui, parece que estou na tua casa! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Muito legal! Lindo o post e maravilhosas as mantas. A segunda vai ficar pronta logo, sim! A crocheteira/tricoteira é super rápida! Fiquei pensando na origem da palavra Armarinho. Deve ser por causa dos armarinhos cheios de marcadoria, será? Como aparece na primeira foto do post.
    Beijos e muitas produções lindas e gostosas como essas.
    Pri

    ResponderExcluir
  3. Que beleza de mantinha você fez, Heloísa! Eu queria tanto aprender a crochetar, mas nunca paro pra me dedicar, acho que no inverno próximo vou tentar.
    E a ida a este tipo de comércio antigo, porém cheio de cores e novidades, deve deixar a criança com mil ideias na cabecinha. Tudo isso está envolvido educação, parabéns, é assim que a família se fortalece e o mundo ganha melhores cidadãos!
    beijos cariocas

    ResponderExcluir
  4. Essa Isadora é que é sortuda em ter uma avó tão criativa!
    Ficou linda a manta, Helô!
    Eu também, como a Beth, não sei fazer crocher.Quero tanto aprender, mas meu tempo mal dá para as atividades que tenho.Quem sabe um dia..
    Bj,
    Lylia

    ResponderExcluir
  5. Como a Isadora é uma menina privilegiada!
    Nos dias de hoje ter uma vovó blogueira e crocheteira é para poucos!!!
    E ter uma manta feita pelas mãos hábeis de sua avó então? é para poucos também!
    Tudo lindo! A manta, a loja, a menininha...
    Bjo

    ResponderExcluir
  6. Ah Heloísa, é verdade... Como é difícil encontrar um armarinho hoje em dia. E quando se encontra, é tão pobrinho... A manta está LINDAAAAA! Parabéns pela obra de arte! Um beijo, Paula

    ResponderExcluir
  7. Amei!!!
    Adoro as coisas que vcs fazem, juntas!!

    A combinação de cores da manta ficou linda!

    ResponderExcluir
  8. Heloísa, a manta da Isadora ficou perfeita, a combinação de cores, puxando para o rosa, ficou um mimo.
    Aqui em BH, no centro comercial da cidade, digamos na parte menos nova, ainda tem muitos armarinhos, há até uma rua especializada nessas lojas, a Rua dos Caetés, mas que já sofreu algumas baixas. Algumas outras ruas em volta ainda mantêm uma ou outra loja. Ainda temos, nessas lojas, aulas de tricô, crochê, bordado...BH ainda é muito provinciana em alguns aspectos.
    A Isadora é uma menininha encantadora e sempre que fala dela, vejo um pouco da Letícia.
    Faço crochê, mas nunca fiz um grande trabalho como esta manta;
    Você é uma doce vovó.
    Beijos na Isadora.
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom esse provincianismo de BH, Lúcia.
      O trabalho da manta é grande, mas vai rápido. Os quadrados são feitos com rapidez e em qualquer momento de folga. Até na frente da televisão. Quando se percebe, jea se tem número suficiente de quadrados. Beijo.

      Excluir
  9. Olá, Helô,

    Desculpe o atraso, o meu computador está com um problema e eu estou tendo de fazer uns malabarismos para fazer o login, rsrs.
    A manta ficou maravilhosa, achei o trabalho excelente: composição dos desenhos, cores das lãs, enfim, parabéns! rsrs. Mas sabe que eu acho em vez de estar em vias de extinção os armarinhos estão é passando por uma revalorização?
    Aqui em Brasília existem mega armarinhos que vivem cheios de gente, e acho que em São Paulo, na Av 25 de março, acontece a mesma coisa. A quantidade de blogs que abordam os antigamente chamados 'lavores' também é grande, rsrs.
    Já vou ficar à espera da manta da Pri (olha a intimidade), rsrs.

    Um beijo!

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, Marly. Acho que você pode ter razão. Os armarinhos, de repente, vão continuar com uma cara moderna.
      Gostei da intimidade com a Pri. Afinal, somos amigas íntimas, embora virtuais. Beijo.

      Excluir
  10. Olá, querida Helô
    Fica fantástico e o efeito visual do colorido no crochê e já fiz esses quadrinhos tanto na lã como na linha...
    Parabéns pelo seu trabalho!!!
    Bjm de paz e bem

    ResponderExcluir
  11. Heloísa, eu estou com a Isadora, adorava ter um "armarinho"! :)
    Aqui não empregamos essa palavra para designar esse tipo de loja, aqui chama-se retrosaria. E como eu adoro uma boa retrosaria, é um verdadeiro paraíso! Mas acho curioso você dizer que aí existem poucas, porque aqui em Portugal ainda existem muitas, e algumas até são recentes. Na baixa de Lisboa, p. exemplo, há uma rua (Rua da Conceição) cheia de retrosarias daquelas antigas, maravilhosas, em que a própria arquitetura e decoração das lojas são quase obras de arte. Eu adoro!
    E a Isadora chegou a fazer negócio com a dona da loja? rsrs

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  12. Esqueci de referir que a manta ficou linda!

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.