segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Quer ser minha amiga?





Acordei com o propósito de retomar minhas caminhadas pela praia, interrompidas há bastante tempo. Pensei que seria bom ter uma companhia para isso mas, na falta, logo coloquei o maiô e acessórios e parti.
Lembrei que, há alguns anos, minha mãe, que perdera sua amiga e companheira de passeios, Flora, comentou ter vontade de andar pela praia mas não tinha companhia. E eu, que na época ainda exercia minha profissão, e não conseguia ter manhãs livres para acompanhá-la, disse-lhe, com pena, para ir sozinha, pois se fosse esperar por companhia pouco conseguiria fazer. 
Agora, sempre que penso numa companhia para caminhar na praia, lembro-me dessa passagem.
Pronta para a caminhada, atravessei a enorme faixa de areia e, quando estava chegando no mar, passava uma uma senhora, também sozinha.
Na hora pensei, bom seria se pudéssemos agir como as crianças. Eu chegaria até ela e diria: quer ser minha amiga?
E daí, seguiríamos caminhando juntas.
Mas, também haveria o risco dela achar que eu estava em processo de demência senil.
Não, não dá para virar para alguém e dizer: quer ser minha amiga?
Ah, tempo bom da infância.
Ainda refletia sobre isso quando passou por mim um senhor, talvez ainda na casa dos 50, e me disse um “bom dia” com muito ânimo.
Surpresa, respondi com simpatia.
Ele continuou caminhando e cumprimentando a todos que passavam, ou que cruzavam com ele. Alguns respondiam com um sorriso e dizendo “bom dia”, mas outros sequer olhavam para o lado.
De vez em quando ele parava e cumprimentava alguém estendendo a mão, trocando também algumas palavras e risadas.
Imaginei que deveriam ser pessoas com as quais ele cruzara em outros dias, e que haviam se tornado “seus amigos”.
Geralmente, os amantes das caminhadas na praia andam sempre no mesmo horário, e acabam vendo as mesmas pessoas quase que diariamente.
Quem puxa um “bom dia” hoje, amanhã e depois, com certeza estará conhecendo novas pessoas.
Foi então que cogitei: não terá sido, essa, a forma que o caminhante “do bom dia” encontrou para manter a inocente pergunta "você quer ser minha amiga"?





12 comentários:

  1. Que delícia te ler!

    E eu te acompanharia nessas caminhadas se morasse por aí!

    E como riríamos, choraríamos até, dependendo do tema, emocionante ou não!

    Tenho saudade de uma turma de amigas( hoje vejo que nem eram de verdade.Eram apenas parceiras daquela atividade) que caminhávamos juntas, com chuva ou sol, aqui no Parcão!

    Pouco a pouco, tive que operar joelhos, tanta coisa e deixei pra lá!

    Hoje quando quero caminhar o faço com o Kiko, mas sem dúvida um papo de amigas é interessante. Uma fofoquinha das boas, o papo de novelas, faz bem e muito!!!

    E esse homem do BOM DIA deve ser muito legal!

    Deve estar à cata de levar alegria, pois há os que caminham num desânimo, ombros caídos até!

    Tomara faças amizades por lá ! Tenho certeza que basta começar ou um sorriso!! ( E deve ser alguém que caminhe no teu ritmo, )

    beijos,linda semana,chica

    ResponderExcluir
  2. Adorei o post! Realmente a simples, ótima e direta pergunta sobre "quer ser minha amiga?"poderia realmente levantar suspeita devido ao momento da vida!!!
    Mas a ideia do "bom dia" é realmente muito boa! Ou alguma outra gênero "Você vem sempre aqui?"- ou também seria suspeita?!
    De qualquer forma, acho que valem as tentativas de buscar o caminho para criar esses laços pós-infância!!
    beijos

    ResponderExcluir
  3. Heloísa, vc está me saindo uma ótima cronista. Uma beleza de texto!
    Eu, geralmente, abordo as pessoas, se me sinto à vontade com elas. Há algumas que olhamos e de cara "sabemos" que não querem papo, mas no geral, a maioria é receptiva. Você nada tem, na aparência, que sugira senilidade, a pessoa nem pensaria por aí, tenho certeza. Tenho uma amiga de Facebook, Ana Faniquito, uma portuguesa simpaticíssima, que mora aí em Santos e tem caminhado todos os dias, não sei o horário, mas é à beira-mar tb. Quem sabe não se encontram por aí? Ela é gente boa, vai gostar dela.
    Na próxima caminhada, distribua sorrisos e "bom dia", certamente vc arranjará companhia.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Com certeza uma caminhada com alguém lhe dando num bom dia é muito mais prazerosa. Vou experimentar aqui em Sampa.

    ResponderExcluir
  5. Gostei! Talvez a pergunta "quer ser minha amiga" dê realmente o ar mencionado no texto, mas o cumprimento cordial, não! Quando saio aqui em São Paulo para ir à padaria às 6 da matina, costumo dar bom dia para quem passa por mim, e tal e qual você mencionou, existem todas as reações possíveis e isto não faz eu me importar mais ou menos. Também não tenho dificuldades na aproximação, mas tenho na intimidade... As coisas têm que ir acontecendo e então, ou acontecem de vez ou passam, deixando em nós alguma experiência positiva! O contato sempre vale a pena!

    ResponderExcluir
  6. Ahh você disse tudo Heloísa, quem dera pudéssemos agir com o coração de uma criança!
    Mas os dias são outros e tememos a aproximação de estranhos, se bem que muitas vezes perdemos grande oportunidade de conhecer boas pessoas, como este homem, por exemplo.
    Tenho certeza que se você retomar suas caminhadas, em pouco tempo, encontrará uma amiga para ir junto, pois nessas horas do dia, as pessoas que fazem estes circuitos são, geralmente, muito boas, todas ligadas em aproveitar a natureza e praticar um exercício para o corpo e a mente.
    Lindas as imagens de Santos, gosto muito dai!
    beijos cariocas



    ResponderExcluir
  7. Helô, querida, bom dia,

    Realmente, seria maravilhoso se pudéssemos agir como crianças, e simplesmente ir chegando e abordando as pessoas, já achando que elas serão nossas amigas, rsrs.
    Contudo, para o bem e para o mal a vida nos ensinou a ter prudência, para nos resguardarmos de perigos e decepções, não é verdade? rsrs. De qualquer modo, acho que um pouquinho de "atrevimento" pode sim nos aproximar das pessoas, pois geralmente todos se sentem meio intimidados na presença de desconhecidos. Por outro lado, sei que você faz parte do grupo reduzido de pessoas, que apesar de apreciar bons papos e bons relacionamentos com amigos, gosta também da própria companhia, então nunca está profundamente só, rsrs.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  8. Helô,
    Interessante, se tomamos a iniciativa de cumprimentar, nem sempre as pessoas respondem ou sorriem, mas vale muito a pena, mesmo assim.
    Quando vim morar no atual endereço, algo que me chamou a atenção foi a cordialidade dos moradores. Temos que respeitar o modo de vida de cada um, mas.... alguém tem que tomar a iniciativa, não é? De repente, uma grande amizade pode estar começando.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  9. Adoro te ler, adoro Santos e fiquei aqui me lembrando da minha mãe, que dizia "bom dia, boa tarde..." a todos que cruzavam com ela, sempre sorrindo e pronta pra uma conversinha...
    Atualmente as pessoas não se olham mais, olham somente pra os seus iphones, ipads, celulares... a tecnologia faz amigos virtuais e distanciam os reais, né não?
    Tomara que nossas crianças continuem perguntando "quer ser minha amiga?"

    ResponderExcluir
  10. Lindo texto!! Me vi caminhando na areia contigo, acho lindo pessoas se comprimentando mesmo sem se conhecrem, isso é querer o bem, é querer estar bem!
    A quase 2 anos vou todos os meses a Santos para encontrar meu namorado, sou do interior de São Paulo e quando estou aí, caminhar pela praia de mãos dadas é sempre um "ritual". Tenho uma página no facebook "Dolce Bonecas" irei divulgar seu bolg lá, espero que não se incomode, pois não posso deixar passar essa ternura que vem de ti. Amiga vovó, já me atrevo a dizer que sou sua amiga, pois suas palavras doces me conquistaram, espero que possa fazer muitos passeios, caminhadas e encontros alegres com suas amigas. Deus te abençoe e que Ele lá de cima possa um dia proporcionar um encontro nosso. Tenha um lindo final de ano, Bjos no coração.

    ResponderExcluir
  11. Seus textos são poesia para mim, Heloísa! É um prazer lê-los.

    ResponderExcluir
  12. Amo ler os seus textos,sempre encontro algo que me identifico.
    Penso que depois de uma certa idade,depois dos filhos já grandes...netos..., nos envolvemos tanto com as questões familiares que não encontramos tempo para as amigas,assim o tempo vai passando e nos vemos "soltárias" cada uma ocupada com os seus.
    Às vezes sinto falta de uma companhia para coisas como fazíamos na juventude,caminhar jogando conversa fora com amigas...,a vida muda... em cada etapa temos que nos adaptar com sabedoria e alegria de viver.
    Abraço, um 2014 de muita saúde,paz,sabedoria e grandes alegrias.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.