quarta-feira, 23 de abril de 2014

E agora, Sr. Doutor?





"É como suspeitei. Realmente, você não vai poder disputar a Copa do Mundo".
Foram essas as palavras do meu irmão Osvaldo, ao receber o resultado de uma ressonância magnética a que eu me submetera.
- Você teve rompimento dos ligamentos cruzados anteriores do joelho. Não vai dar para jogar.
E tudo porque, num movimento mal executado, eu torci o tornozelo e o joelho direitos. Cada um tomou uma direção, e eu tive uma queda leve.
Isso aconteceu durante o vôo de Lima para São Paulo, no último dia 2 de abril. Precisei descer do avião numa cadeira de rodas, porque teria dificuldades para andar todo o imenso trajeto do aeroporto.
Fui a um hospital com Pronto Atendimento e, depois de radiografias, saí com a recomendação de tomar um anti-inflamatório, fazer sessões de fisioterapia e, se entendesse necessário, procurar um ortopedista para fazer uma ressonância magnética. A radiografia servira somente para a pesquisa de eventual fratura, mas a ressonância é que serviria para esclarecer a questão dos ligamentos.
Achei um pouco estranha essa questão de "se entendesse necessário" procurar outro médico para, então, fazer uma ressonância. Eu teria condições de avaliar a necessidade? Se era importante, por que já não requisitar o exame?
Bom, deixa prá lá.
Comecei o tratamento, dentro de casa, com fisioterapia e muito gelo.
E fiz a ressonância com o pedido de outro médico.
No resultado, rompimento dos ligamentos, com leve suspeita de uma pequena fratura.
Novo exame: tomografia.
Fui, então, aconselhada, enquanto aguardava o resultado da topografia, a agendar um especialista em joelho, para ser atendida já com os resultados dos exames. Recebi uma recomendação de nome de um ortopedista e liguei de imediato, no dia 17 de abril, antes dos feriados da semana santa.
A recepcionista ouviu minha história, meu pedido de atendimento com urgência, e me disse:  Posso agendar para o dia 3 de julho.
- Como? 3 de julho?
- Sim, senhora.
- Mas trata-se de uma emergência.
- Só temos horário para julho.
 - Mas a agenda médica não tem flexibilidade para um encaixe?
- Não, senhora.
- Nunca aconteceu um caso como esse meu? Como foi resolvido?
- O que eu posso fazer é escrever um recado para o doutor, pedindo autorização para um encaixe. Mas só poderei fazer isso na próxima semana, depois dos feriados.
- Está bem. Então, por favor, a senhora escreve no bilhete que sou idosa, estou com diagnóstico de rompimento de ligamentos, estou com os exames em mão, e que peço um encaixe urgente.
Ontem, dia 22, ela me ligou.
- Dona Heloísa? O doutor autorizou seu encaixe.
Fiquei contente.
- Que bom.
- Estou marcando a senhora para o dia 22 de maio.
- Como? 22 de maio?
- Sim.
- Por favor, diga para o doutor que eu agradeço a autorização, mas que ele pode retirá-la.  Pois esperar mais um mês nessa situação não vai resolver meu problema.
Há algum tempo eu escutava que a medicina era um sacerdócio.


11 comentários:

  1. Nooooooooooossa! Que descaso, desrespeito, nem mais sei o que dizer! CREDO! E tu tens dores?
    Isso tudo com plano de saúde? A coisa tá DANADA!! E agora? Como estás? Tens dores?E pra caminhar? Fico na torcida e cada vez me decepciono mais com nosso paiseco e sua saúde tão bem cantada e falada pelos governantes, mas na prática é abaixo do fiofó do cachorro! beijos,fica bem! chica

    ResponderExcluir
  2. Chica,
    Já estou sem dor e andando melhor. Mas preciso de orientação médica, a vista dos resultados dos exames.
    Acho que é uma questão de formação pessoal. Falta humanismo aos profissionais. Beijo.

    ResponderExcluir
  3. A pergunta é: e agora, Heloísa? Pois é, e agora? Sua indignação é também a minha. Apesar de ter um bom plano de saúde, da empresa em que meu marido trabalhou por mais de 35 anos, atualmente ando pagando consultas particulares, única maneira de ser atendida com presteza. Olhe logo isto, pois problemas nos joelhos não são de fácil solução, espero que o seu seja. Sem palavras, falar o quê, diante do caos que vivemos?
    Beijo, amiga e procure logo outro médico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Lúcia. Quando eu liguei, a recepcionista perguntou o convênio. Quando ela disse que não tinha horário, eu me dispus a pagar a consulta, como sempre tenho feito em outros casos. Mas daí, não deu. Ela disse que nem assim tinha horário. rs,rs

      Excluir
  4. Helô, querida,

    Pena que isso tenha acontecido, espero que o seu problema se resolva plenamente e em breve. Quanto
    ao "prazo" absurdo para fazer um exame urgente, isso
    é mais uma evidência do caos em que se encontra o segmento da saúde nesse país.
    A idéia de sacerdócio médico caiu por terra há muito tempo, hoje o que há é muito mercantilismo nesse meio, uma lástima.

    Um beijo e boa noite

    ResponderExcluir
  5. Querida Heloísa!
    Que horror! É triste o descaso de alguns médicos, parece que eles pensam que são deuses, sei lá. O caso é que a saúde pública e privada em nosso país, vai de mal a pior, lamentável. Olha, não se descuide, tornozelo e joelho são coisas muito sérias e trazem reflexos por todo o corpo. Sei disso, fiquei sete meses sem caminhar por causa de um tornozelo quebrado.

    Medicina um sacerdócio? Ih, menina, isso foi há muitooo tempo! Agora é tudo na base do quem-dá-mais e ainda assim, persiste o descaso, a falta de humanidade e de empatia. E as secretárias que poderiam cooperar, pois falam direto com os médicos, o que fazem? Nada. Uma incompetência e superficialidade a toda prova.
    Um beijo e melhoras.
    Blog da Marli

    ResponderExcluir
  6. Oi Heloisa! Que horror! Que terror! Mais uma ocorrência que causa minha indignação neste País. Queria poder ajudar mas não tenho como. Não conheço ortopedista bom e nem um posto de atendimento. Vou enviar boas vibrações para que você consiga atendimento o melhor possível. Está acontecendo um sorteio no meu blog. Beijos, Paula

    ResponderExcluir
  7. Poxa vida, imagino o quanto difícil é esta situação para você, pois não é fácil a gente esperar quando algo nos incomoda, dói e nos deixa atados para fazer nossa vida!
    Estamos todos no mesmo barco, a situação hoje em dia, com tantos planos de saúde, mas complicado no atendimento médico. Já não se fazem mais médicos como antigamente!
    Melhoras, Heloísa!
    um grande abraço carioca


    ResponderExcluir
  8. Olá Heloísa,
    Que triste! O descaso está cada vez maior em relação aos planos de saúde e muitas vezes, nos atendimentos particulares. Como esperar no momento de dor?
    Indignação total!
    Melhoras.
    Beijos mil

    ResponderExcluir
  9. ¡Ay Heloisa es lo mismo en todas partes, aquí la sanidad pública a la que estamos obligados a cotizar todos los trabajadores también trabaja con largos plazos, por eso la mayoría de los españoles tenemos la Seguridad Pública y además una mutua, pero es bien triste. Espero que te mejores rápidamente, yo hace años me rompí esquiando los ligamentos cruzados, decidí no operarme, a los dos años ya volvía a esquiar y ahora estoy perfectamente. Un fuerte abrazo

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.