quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Aprendendo com os filhos


Outro dia, minha filha, referindo-se à sua filhinha de dois anos, escreveu o seguinte em seu blog (http://blognosduas.blogspot.com/) : “A pequena está se formando. E eu espero ainda estar em tempo de aprender! Quem sabe não será essa fofinha que vai me ensinar? “
Ao fazer um comentário a esse texto, no próprio blog, eu lhe disse que, com certeza, ela aprenderia bastante com sua filhinha, assim como eu havia aprendido muito com ela, e com o Gustavo, meus filhos.
É verdade. Aprendi, e continuo a aprender.
Aprendi a viver o presente, no sentido de modernidade. Sem eles, acho que correria o risco de viver presa ao passado, no sentido de vida com um modelo fechado.
Eles me lançaram para a frente. E percebi isso há muito tempo quando meu filho, ainda adolescente, me ajudou a enxergar o mundo em transformação, e foi me ajudando na necessária adaptação às novas realidades, sem que eu precisasse deixar de lado todos os meus valores de vida. Cedo, ele foi se mostrando independente e corajoso, e acho que isso foi fundamental para que eu também me tornasse uma mãe corajosa.
Pelo meu perfil antigo, eu tinha tudo para ser uma daquelas mães que mantêm os filhos “agarrados às suas saias”. Contudo, graças aos passos que eles foram dando desde cedo, eu pude aprender, muitas vezes com sofrimento, que esse “agarramento às saias da mamãe” não seria bom nem para eles, nem para mim. Seguimos corajosamente nossos caminhos, em paralelo e com cruzamentos. E como é bom quando nos cruzamos !

6 comentários:

  1. Oi vovó, como sempre adorei o post, minha mãe também é uma mãe pra frente e evoluida, somo muito amiga, ela é a melhor que tenho. Quero ser assim pra Nathalia também, deixar que ela siga seu próprio caminho, mas estando sempre por perto caso ela precise. Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Minha mãe é uma mulher muito evoluída e eu gostaria muito de ser como ela e sinto que estou cumprindo essa missão...

    Me sinto muito a vontade no papel de mãe moderna, e fico orgulhosa de ter Laís para me abrir novos mundos ou caminhos... É motivante!!!

    Bjos, vovó Helô!

    ResponderExcluir
  3. Vovó Helõ, acho que ser uma mãe "moderna" e "antenada" é saber dar ouvidos aos mais velhos (pais) e aos mais novos (filhos), além de saber ouvir seu instinto materno também. Difícil conciliar? Um pouco, mas com o desejo de acertar sempre, acho que temos conseguido bons resultados. E que prazer é aprender desfrutando dessas companhias, não é mesmo? Depois que meu filho nasceu passei a admirar ainda mais minha mãe. Parece que aquelas coisas que não entendíamos direito quando éramos mais novas faz todo o sentido. Nada como um dia após o outro. E que ocorram muitos cruzamentos em nossas vidas ...
    Beijos,

    ResponderExcluir
  4. Estava com saudades dos seus posts!

    Lindo o que vc escreveu, os filhos com certeza são a nossa ponte para o futuro!

    (Passa lá no meu blog, contei sobre uma viagem que fizemos de trem!)

    beijos!

    http://meninadecachos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Olá Helo!
    (podemos chamá-la assim??)

    Que bom que gostou do nosso blog, pelo visto aprenderemos muito com o seu também!

    Sobre o Café Kiwi que fomos esta semana com certeza deve ter alguma ligação com a Nova Zelândia - há um "poster" com referência a um animal, creio chamar-se Kiwi também, e fala sobre Nova Zelândia brevemente -, mas infelizmente no meio da fofoca esqueci de perguntar!

    Assim que tivermos essa informação comunicaremos!

    Obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  6. Queridas comentaristas,
    É isso mesmo. Como disse a Nina, os filhos são nossa ponte para o futuro.
    Ju, adorei você ter vindo me visitar. Sabe, tenho um carinho especial por Florianópolis, que é a cidade natal da minha querida mãe.
    Beijos,
    Ah!, é claro que pode me chamar de Helô.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.