quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Figuras familiares



Irmão, tio e primo. Será que são palavras fadadas a desaparecer?
Anos atrás, conversando com uma pessoa que passara um tempo nos Estados Unidos, ela me disse que ficara surpresa ao ouvir, certo dia, um americano dizer que iria encontrar com um primo. Estranhou, porque até então nunca ouvira qualquer americano falar em primo, ou tio. Na ocasião, chegamos à conclusão de que isso acontecia porque eles não têm, como nós, o costume de cultivar relações familiares.
Hoje, penso que não é só isso. Acho que a ausência de referência a primos e tios deve-se, também, ao número pequeno dessas figuras e, em certos casos, à sua inexistência.
E é o que estamos começando a observar, entre nós. Os casais, na sua maioria, estão tendo somente um filho. Às vezes, dois. Mais do que esse número é raridade, e chama a atenção. Outro dia vi um casal passeando com 4 filhos de idades diferentes, formando uma escadinha como era tão comum há anos atrás. Achei a cena encantadora, mas fiquei muito surpresa, pois excetuando o caso de filhos trigêmeos (que tem ocorrido bastante, em decorrência de reprodução assistida), o que se vê com freqüência é um casal com filho único. Portanto, a cada dia, percebemos mais que os irmãos estão rareando.
Se antigamente era comum que as crianças únicas pedissem um irmãozinho aos pais, nos nossos dias isso pouco acontece. É que antes, elas observavam que quase todos seus coleguinhas de escola tinham irmãos, e também queriam ter o seu. Não queriam se sentir diferentes. Agora, a situação mudou muito. Como quase todas as crianças são filhos únicos, é difícil surgir a vontade de se igualar aos que não são.
Vivemos, portanto, uma época de famílias bem pequenas. Do filho muito esperado, muito querido, porém único. E, se esse filho único vier a casar-se com outro filho único, o filho que vier a ter não terá tios, nem primos. Será que os tios e os primos vão começar a desaparecer? Vocês já pensaram nisso?

12 comentários:

  1. ai q medo de isso acontecer.
    por enquanto meu filho é unico, mas ja pensei em dar-lhe um irmaozinho...mas nunca tinha pensado em dar tios aos meus netos...meus netos, por enquanto, nao terão tios... e isso me assuta um pouco.
    tomara q nao seja assim.
    tomara!
    bjos

    ResponderExcluir
  2. Tô até arrepiada, parece que a Sra. está lendo meus pensamentos, estou passando por esse dilema, meu marido quer outro filho e eu não, ele acha que a Mariana vai se sentir muito sozinha, ele é filho único e fala que sofre com isso, meus primos/primas a maioria não tem filhos e estou vendo que a família está acabando. Mais de dois dias pra cá meu coração está amolecendo e estou pensando nisso com mais carinho e lendo suas palavras estou me convencendo ao contrário. Ai meu Deus me dê uma luz.
    Beijocas

    ResponderExcluir
  3. Vovó pra Presidente !!!!
    Como vc traduz em palavras sentimentos e como consegue enchergar além (Pri te pra quem puxar ) É pelo andar das coisas o GUTA vai ser unico , sabe vovó hoje as maes trabalham muitooo , eu por exemplo saio de casa as 05:40 e só volto as 20:45 , como ter outro bb , o meu já sofre qdo eu to longe , mais por outro lado é lindo ver meus cunhados ( o Jr tem 2 irmão a diferença certinha entre eles é de 3 anos )Brincando rindo pedindo dinheiro emprestado ( e muito hihihi) Já pendei isso o GUTA é o unico neto e sobrinho de ambos os lados , é muito ruim gosto de de casa cheia de festa , mais ei começo a pensar , mais dois filhos quero dar ua vida bacana escola legal , cursos, festas , sempre compro alguma coisa pro Gusta qdo saio será que com 2 poderá ser assim ?
    Ai que duvida , sabe oque eu fiz :
    TA NA MÃO DE DEUS !!!
    vovo estava com saudades , da u passadinha no meu blog , bjos !!!!

    ResponderExcluir
  4. Nossa Vovó Helô, vc como sempre encantadora! Sabe, nunca tinha pensado profundamente nisso... Vc me fez refletir! Por enquanto tenho um filhinho só, de 1 ano e 9 meses e sinceramente penso em continuar só com ele. Antes de me casar sempre pensei em ter 2 filhos, mas agora que tenho esse tesouro penso que não é só pelo trabalho que eles dão (porque isso a gente esquece), mas tem também outros fatores como "R$" e a culpa pela ausência que eu ainda sinto por trabalhar o dia todo. Mas no mundo de hoje o fator grana fala bem alto. Queria ter a certeza que vou poder dar tudo o que ele precisa, investir nos seus estudos. Eu e o pai dele estamos na área jurídica e sabemos o quanto é difícil na prática. Meu marido quer muito outro bebê. Eu por enquanto não. Vou esperar mais alguns anos e aguardar a resposta certa de DEUS! Ele, com toda sua sabedoria me dará o melhor. Eu sei!
    Beijos no seu coração.

    ResponderExcluir
  5. Si tem outro bbzinho vai , vc tem sua casa propia graças a DEUS o Ronaldo trrabalha pra ele meso , ah! Pensa vai!!!!

    ResponderExcluir
  6. Oi vovó, sabe que justamente hoje estava pensando em postar sobre familia, tenho 03 irmãs e muitos primos, minha familia é bem unida, quero ter mais um filho mas só quando a Nathalia tiver uns 06 anos, a situação financeira tá tão dificil hoje pra ter muitos filhos e tem o fato de nós mães trabalharmos fora, acho que é por isso que os casais estão tendo somente um filho. Mas é legal quando a familia é grande, é uma alegria só. Beijus e te espero no meu blog!

    ResponderExcluir
  7. Eu tenho 1 irmã e 1 irmão, gostaria muito de ter uma família grande também, mas hoje em dia fica difícil. A minha filha tem 3 aninhos e é muito sozinha, o único primo mora longe, estou pensando muito em dar um irmãozinho(a) pra ela, acho que esta diferença de idade já esta bom. Tenho muitas lembranças boas da minha infância, com muitos primos e tios, mas pra ela não sei se vai ser assim, me preocupo muito com isso. bjs
    Fernanda

    ResponderExcluir
  8. Sempre que penso se vou ter outro filho ou não me vem na cabeça esta situação, fora o fato triste tb de não ter irmãos, já que tanto eu como meu marido temos (e tb um monte de primos, tios...)
    Ainda não bati o martelo pois ainda tenho vontade. Hoje não tenho condições (de tempo e financeira, que acho que pesa mais), mas a vida muda e penso que ano que vem ou no outro as coisas podem estar diferentes... Espero que sim!!!! Pois, como li outro dia, filho também não pode ser um sacrifício. Concordo que tem que ser alegria e curtição total! Apesar que imagino que mesmo qdo vem sem querem acaba virando felicidade total!
    Tenho uma amiga, filha única, que se casou com um cara que é filho único tb. Ela já tem 03 filhas, e sempre quis que fosse assim, pois como falou, além delas já não terem tios e primos, não poderia ter um único filho que na falta deles não tivesse alguém próximo da família.
    Acho que logo no começo do seu blog vc escreveu sobre este assunto de irmãos (ou foi no blog da Pri?) e comentei que mexeu muito comigo!

    Bjs,
    Paula

    ResponderExcluir
  9. Queridas comentaristas,
    Quando escrevi esse texto, não tinha a intenção de crítica, e nem de incentivo a mais filhos.
    Foi só uma constatação da realidade, tão diferente de anos atrás. A vida, hoje, é muito difícil para as mamães que, de um modo geral, têm sua vida profissional. Já não se conta muito com pessoas para ajudar e, embora a mulher que trabalha fora ( e que é a maioria) fique muito sacrificada, ela não tem outra opção.
    Nessas condições, ter um filho próximo do outro, o que era tão comum, e tão mais fácil (pois as crianças eram criadas de uma vez) é hoje muito difícil.
    Meninas, por favor, não se sintam autorizadas pelo meu post a terem mais filhos. Caso contrário, daqui a algum tempo ouvirei alguém dizendo : esse nenê nasceu por causa da vovó Helô.
    Repito: não é crítica, nem incentivo. É só um retrato da realidade.
    beijos
    Heloísa

    ResponderExcluir
  10. Queridas, fora o risco de vocês terem mais bebezinhos e mandarem para a vovó Helô cuidar, não é mesmo?! Aí a Isadorinha vai ganhar um monte de priminhos!!! haha Brincadeira. A verdade é que hoje está muito difícil ter mais do que um mesmo. Tudo mudou e isso também. Talvez seja a hora de fortificar as amizades, e criar esses laços com amigos também, não seria uma boa saída? Aliás, pode ser o que vai acontecer mesmo. A Isadora, por exemplo, já é amiga do João Pedro, de quase três anos, filho da minha amiga Cris e meu afilhado. Eu sou amiga da Cris há quase 30 anos! Eles não são como primos? beijo a todas, Pri

    ResponderExcluir
  11. Vovó vc é uma figura !!!!
    Pri Saudades !!!!

    ResponderExcluir
  12. Oi, comentaristas,
    Penso que a Pri descobriu um caminho : fortalecer as amizades. Se você tem uma amiga, que é como uma irmã, ela será uma tia para seu filhinho único. E seu filho, ou filhos, serão os primos.
    Deve haver outros caminhos, mas cada uma terá que descobrir o seu.
    beijos
    Heloisa

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.