terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Terremoto



Os fenômenos destrutivos da natureza são extremamente assustadores. Mostram o quanto somos impotentes diante das forças maiores. Absolutamente impotentes. E vivenciar uma situação dessas, deve ser algo que foge a qualquer imaginação.

Ontem, Christchurch, na Nova Zelândia, foi abalada por um terremoto. O país fica em região sujeita a terremotos, e tem um número grande de abalos por ano, todos de baixa intensidade.

Esse último, contudo, atingiu 6.3 pontos, causando destruição e mortes.

As construções, no país, seguem regras de proteção, para evitar danos materiais e vítimas, em caso de terremotos. Mas as construções mais antigas parece que não são providas dos recursos de defesa.

Penso que isso tenha causado a queda da torre da Catedral Anglicana, construção da segunda metade do século XIX, localizada na principal praça de Christchurch.

Estive lá em abril de 2010, como contei no meu blog de viagens, e tive a oportunidade de visitar esse templo tão representativo, prestando atenção em todos seus detalhes.

Haveria pessoas visitando a Catedral, quando do terremoto?

Me arrepiei.


Acima, Catedral em abril/2010. Abaixo, Cruzeiro ao lado da Catedral.


10 comentários:

  1. Oi Helô

    Vim aqui porque sei que teu filho meu lá e como as notícias que vi foram desencontradas, a minha preocupação aumentou.
    Ainda bem que não foi na região que ele mora, Graças a Deus. Que esse povo não sofra.

    Bjs no coração!

    Nilce

    ResponderExcluir
  2. Imagino como te sentiste ao ver isso... Posso imaginar muito bem! Triste ver a destruição e nossa total impotência! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. Heloísa, imagino o que você sentiu ao ver a catedral parcialmente destruída. Você esteve lá dentro e viu de perto como ela é bonita.
    Infelizmente já há 65 mortos confirmados. Muito triste.
    Vi algumas fotos de edifícios bastante destruídos, não só a catedral como prédios de habitação completamente por terra. Foi um abalo muito forte.
    Um bj

    ResponderExcluir
  4. Helô,

    lembrei-me de você e do seu filho quando vi as notícias do terremoto. Muito triste! Tenho um amigo que estava na Nova Zelândia há alguns dias. O alívio que sentimos por nossos queridos estarem bem mistura-se à solidariedade àqueles que perderam quem amam.

    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Oi, Helô,

    Os terremotos e outros fenômenos são mesmo muito assustadores. Presto a minha solidariedade à cidade atingida, principalmente em razão das perdas humanas, embora as perdas materiais possam ser também muito lamentáveis, não é verdade?

    Um beijo

    ResponderExcluir
  6. tenho um amigo por lá tomara que esteja bem!
    que bom que tem guardado na memória toda beleza da catedral!
    beijo

    ResponderExcluir
  7. Nossa, Helô, eu nem estou sabendo disso! Que horror!
    Desejo que seu filho esteja bem e que os terremotos cessem naquele lindo país.
    Que pena, tão bonita a torre desta catedral!
    bjs cariocas

    ResponderExcluir
  8. Ontem fui assistir Além da Vida, e inicia com o tsumani que provocou tantas mortes! Que horror me causa esses acidentes da natureza!
    O terremoto da N. Zelândia também nos mobilizou,
    Uma conhecida tem um filho fazendo intercâmbio lá, e sabe q me lembrei do seu filho? Graças a Deus, os dois estáo bem! Pena que mais de 300 ainda estáo desaparecidos!
    Bjs,

    ResponderExcluir
  9. Realmente los terremotos son horribles, tengo una prima en Nueva Zelanda, pero por suerte ella vive en Auckland. Ha debido ser horroroso, viendo las catástrofes que están pasando en el mundo, provocadas por la naturaleza y por el hombre, hemos de sentirnos muy, muy afortunados.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. OI Helô, e seu filho está tudo bem com ele?
    E a catedral era tão bonita.
    Espero que nao tenha tido vítimas fatais.
    bjuss

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.