segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Desrespeito continuado



Diz o art. 3º da Lei nº 10.741 de 1.10.2003 (Estatuto do Idoso):

"É obrigação da família, da comunidade, da sociedade e do Poder Público assegurar ao idoso, com absoluta prioridade, a efetivação do direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária.

Parágrafo único. A garantia de prioridade compreende:

I - atendimento preferencial imediato e individualizado junto aos órgãos públicos e privados prestadores de serviços à população;

II ....."

Sim, o Estatuto do Idoso garante o atendimento preferencial imediato e individualizado, em qualquer estabelecimento de atendimento público.

E isso é de conhecimento geral, tanto que, nesses locais, sempre há placas noticiando o atendimento preferencial a idosos.

Pois bem.

Embora cercada por essas placas, que informam sobre o atendimento prioritário, não há uma vez em que eu vá a uma farmácia, ou drogaria, e que não sinta meu direito desrespeitado.

Se não é na hora do atendimento, é na hora do pagamento.

No último sábado precisei de um atendimento médico de urgência e, no retorno, parei numa farmácia. Desci para comprar o medicamento e fiquei aguardando no balcão. Depois de um tempinho, vendo duas ou três pessoas serem atendidas, perguntei para uma funcionária se ela poderia me atender.

Ela me disse:

A senhora pegou a senha?

Não, não sabia que aqui havia senha. Mas, de qualquer forma, pela idade, tenho atendimento preferencial.

Já venho atender a senhora.

Fui atendida e me dirigi para a caixa.

Só havia uma funcionando, com uma fila de pelo menos 10 pessoas.

Nesse momento, foi aberta outra caixa. Dirigi-me para ela e aguardei que ela terminasse um atendimento.

Nessa hora ela me disse:

A fila está lá atrás. A senhora deve entrar nela.

E eu:

Minha filha, eu não preciso entrar na fila.

Ela, então, virou-se para a fila e perguntou: há outro idoso que queira ser atendido pela idade?

Valha-me Deus!

E não foi a primeira vez que isso aconteceu.

Mas não me intimidei.

Exercer os direitos, é exercer a cidadania, e se muitos não fazem questão do exercício, eu faço.

Tenho deveres e direitos. Cumpro todos meus deveres, e faço questão de exercer meus direitos. E se eles existem é porque são necessários e adequados para essa quadra da vida. Não servem para dar vantagens, mas para diminuir as desvantagens, como já falei aqui.

O problema é que existe tanto desrespeito, que muitas pessoas sentem constrangimento em exigir o tratamento que lhes é devido. Nas filas em geral, nas vagas de estacionamento, nos bancos, nos assentos preferenciais em ônibus e metrôs.

Antes de sair da farmácia, fui falar com sua gerente, aconselhando-a a dar um treinamento aos seus funcionários, para que entendam e pratiquem com civilidade aquilo que a lei determina. Vamos ver se aos poucos, educando-se alguém aqui, outrem ali, vamos chegando a uma sociedade mais solidária e respeitadora.


14 comentários:

  1. Pois Helô ainda bem que você não apanhou...porque nem isto falta mais!
    Vejo minha mãe ter que exigir sempre o seu direito e fico muito envergonhada de saber que vivo no meio deste tipo de ser, que se diz humano, todos os dias!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Amiga Helô!
    Eu estava lendo teu post e pensando que faria exatamente o que você fez, dirigir-me-ia ao gerente e cobrava o tal treinamento que obrigatoriamente eles deveriam fazer com seus funcionários.
    Por aqui, em Niterói e Rio, percebo que foram dadas muitas oportunidades de emprego à pessoas com pouca qualificação e, principalmente, esses que trabalham com público, são fracos, têm pouco instrução, jovens demais, de cultura rasa e aí quando têm que ter modos para tratar uma pessoa, seja ela jovem ou mais velha, são absolutamente mal educados, grosseiros e visivelmente sem treinamento.
    Noutro dia, uma amiga contou-me que entrou numa dessas Lojas Americanas Express e era dia ainda, mas um funcionário lavava a loja, jogando baldes e empurrando com rodo. Ela ficou bouiaberta daquilo acontecendo durante o expediente, quando de repente, entra um grupo de outros funcionários em fila, cantando um samba de escola de samba e rindo alto, como se aquilo ali fosse a Casa da Mãe Joana.
    Ela, constrangida e confusa no meio daquele pessoal, tratou de sair fora logo da loja.
    Mas, vejo que isso tem acontecido principalmente quando o estabelecimento é franquia, sem muita responsabilidade com a marca.
    Não consigo imaginar uma coisa dessas acontecendo no exterior, tudo lá é tão profissional, né mesmo.
    Fico, também, muito aborrecida com essas atitudes.
    Você fez a coisa certa e espero que de uma próxima vez o atendimento seja perfeito.
    bjs cariocas

    ResponderExcluir
  3. Olá, querida Helô
    Muitos se esquecem de que todos vamos pra lá... me falta bem pouco!!!
    Bjs de paz e excelente semana pra vc.

    ResponderExcluir
  4. Heloísa, todos os nossos direitos têm que ser reivindicados.
    Porque os deveres nos são cobrados rapidamente, não?
    Então, fêz bem em usar dos seus. Afinal, não é à toa que nos foram dados.
    A vontade que dá é de sermos tão desrespeitosos com quem nos nega, quanto eles o são conosco!
    Mas não vale a pena.
    Sua atitude foi a de calma e paciência, então ganhou dobrado: respeito e admiração de quem a atendeu.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Impressionatew isso e é verdade.Fizeste bem em falar com o gerente.,Faço isso sempre em qq. lugar, até pela falta de cortesia para responder(pelo menos) um bom dia que sempre dou no caixa do supermercado.
    É fogo e falta muiiiiiiiiiiito pra nosso povo!!! beijos,chica

    ResponderExcluir
  6. Já larguei o produto no caixa com raiva da falta de educação quando eu estava grávida. Um barrigão enorme e pesado e a mocinha me mandando para o final da fila. Muita má vontade e falta de respeito!!!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  7. Isso mesmo Helô tem que se fazer respeitar e entender. Infelizmente sabemos que essa prática é constante em muitos outros estabelecimentos. Esse zé povinho só vai passar a cumprir a lei o dia que for multado na mesma hora.
    Se eu estivesse no seu lugar teria agido da mesma forma (já fiz isso em outras situações).
    Bjus linda semana
    yvone

    ResponderExcluir
  8. Olá, Helô,

    Acho que toda essa 'inconsciência' é resultante da falta de educação moral e cívica. As pessoas não têm apreço ao idoso e nem às coisas antigas. Uma vez eu vi um boçal fazendo troça de uma senhora bastante idosa, que se mostrava lenta em certa ação, provavelmente por causa da impaciência dele, e não me contive, cheguei para ele e disse: Peça aos céus que lhe permitam vir a ser um dia também idoso, pois o único jeito de você escapar da idade é morrendo antes!
    Eu queria ter dito outras coisas mas a irritação atrapalhou o meu raciocínio, rsrs.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  9. Oi querida Heloisa,
    Talvez a culpa seja sua por não aparentar a idade!!!! Brincadeira. Concordo plenamente e às vezes me sinto cansada de tanto brigar nessas situações e verificar que na maioria o errado é considerado o certo, se vc reclama é considerada "a chata". Lembro que em Santos, antigamente, havia uma campanha "Pratique a Cortesia", que incentivava as pessoas a praticarem atos simples como ajudar um idoso a atravessar a rua, falar bom dia, estender a mão a quem precisasse. Gestos como esses parece que sairam de moda.

    ResponderExcluir
  10. Oi Helô

    Vemos todo dia a falta de respeito com os idosos, com os portadores de deficiência e com as crianças.
    Educação vem de berço, e o que eles ouvem ou fazem em casa, irão fazer com os outros na rua.
    Nem sabem o que é direito ou dever de cada cidadão, muito menos tratar bem todo e qualquer ser humano.

    Bjs no coração!

    Nilce

    ResponderExcluir
  11. Muito bem, Heloísa! Os direitos não são para estar só no papel, embora na prática seja isso o que muitas vezes acontece. Mas deixe-me dizer-lhe que aqui em Portugal são raros os locais onde existem os avisos com indicação de prioridade. Existem nos hipermercados, por exemplo, mas em farmácias, bancos, e outras instituições, é raro ver-se. Se a pessoa não conhecer a Lei, fica difícil usar os seus direitos. E nunca vi nenhum sinal indicando concretamente a idade, normalmente é um "boneco" de um velhinho de bengala... :)
    só fiquei triste de saber que dentro de 15 anos já sou idosa... rsrs

    beijinhos

    ResponderExcluir
  12. Saudades, Helô!!!
    Uma notícia boa prá vc: a Pati voltou para SP, e claro, estou nas nuvens, de tanta alegria!
    Fiquei bons dias aterefada, e estou voltando! Espero que esteja bem!
    Bjs e bom finde!

    ResponderExcluir
  13. É tia, vc nao aparenta a idade.
    No entanto, os serviços especiais são DEFICIENTES no nosso país.
    Lembro-me que quando estava grávida, fui fazer umpagamento no banco para minha irmâ. Ao sair para o banco ela ja me "avisou":
    - e deixe de ser ridícula e nao entre na fila para grávidas!!!

    Uai!! Pensando nisso e com um certo medidnho da minha irmâ mais velha e sábia, nao entrei na fila preferencial. Demorou, mas chegou minha vez. Nessa hora a mocinha disse que eu estava na fila errada e que deveria ir ao X lugar....
    Quer saber???? entrei na preferencial todas as outras vezes. afe!!!

    ResponderExcluir
  14. Acho que pessoas que nao tem respeito pelo idoso deve pensar que sera jovem a vida inteira!!o idoso de hj somos nos no amanha..Achei esse video bem legal pessoal.
    abs

    http://www.temporadafora.com/vlog/desrespeito-aos-idosos

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.