quarta-feira, 2 de maio de 2012

Pode ou não pode?






Antigamente a chupeta era adotada pelas mães, sem qualquer questionamento. Era usada para acalmar os bebês e, com certeza, para deixar a mãe com mais tempo para atender seus outros filhos. Isso porque, de um modo geral, todos tinham muitos filhos e, na hora do choro, as mães não tinham condições de dar muito colo . Daí, entrava a chupeta, como uma importante auxiliar.
Com o tempo, o uso da chupeta passou a ser questionado, e ela passou a ser acusada de causar problemas relacionados à dentição.
Na época dos meus filhos pequenos, esse era o questionamento. Mas, ainda, de uma forma leve. Dávamos a chupeta sem culpa.
Meus filhos a usaram, com enorme prazer. Quando nenês, com mais intensidade. Depois, só na hora de dormir.
Na hora de tirá-la, foi um pouco mais difícil com o Gustavo.
Acho que ele devia ter em torno de 2 anos, e estávamos voltando de uma viagem a São Paulo, quando ele aceitou minha sugestão de jogar sua chupeta para os passarinhos. Minha ideia era a de que ele fizesse isso no dia seguinte, já em casa.
Ele, porém, jogou a chupeta na mesma hora, pela janela do carro.
Fiquei preocupada. A noite estava chegando e aquela chupeta era única.
Na hora de dormir, fui levá-lo para a cama, e ele me pediu a chupeta.
Então eu lhe disse:
Você não lembra que jogou sua chupeta para os passarinhos?
E ele:
É mesmo, mamãe. Mas, quando eu for novamente pequeninho, você me dá a chupeta de novo?
Senti uma pontinha de tristeza, mas não lhe disse que jamais ele seria pequeninho novamente.
Minha netinha Isadora, também foi apaixonada por chupeta. Chegou em casa, depois da maternidade, tentando colocar os dedos na boca. Não era só um dedo. Queria colocar todos.


                       (Isadora logo após a chegada da maternidade, ainda com a pulseirinha de identificação).

Nessa época, há quase 6 anos, a restrição à chupeta era bem forte, pois ela poderia atrapalhar a formação dentária e até a amamentação. 
Mas, no caso, a questão era: dedo ou chupeta?
Ganhou a chupeta. 
E a Isadora adorava sua chupeta. Houve época em que ela queria usá-la também durante o dia. 



Às vezes eu achava que seria trabalhoso conseguir que ela abandonasse esse hábito.
Afinal, tudo ocorreu naturalmente, e “os passarinhos” ganharam mais uma chupeta. Durante alguns dias a Priscila vinha conversando com a Isadora, que estava com dois anos e alguns meses, explicando que seria bom se ela largasse da chupeta, e a desse para os passarinhos. Até que, certo dia, ela atirou a chupeta pela janela do seu apartamento. Sentiu sua falta duas ou três noites, mas ficou bem tranquila.
Pode ou não pode?
Ainda bem que achamos que podia, e não sentimos qualquer culpa por termos adotado a chupeta para nossas crianças.
Pois, não é que agora, seu uso está totalmente redimido, e ela está sendo considerada como um fator auxiliar da amamentação?
Foi essa a conclusão de uma pesquisa científica realizada nos Estados Unidos, noticiada pela Folha de São Paulo no último dia 30/04/2012.
Parece até a história da alimentação. Uma hora pode isso, outra hora pode aquilo.
Mas, e a chupeta?
Afinal, pode ou não pode?


(Procurei fotos do Gustavo e da Priscila com chupeta, mas não encontrei nenhuma. Acho que isso confirma minha lembrança de que eles usavam só para dormir).


   

9 comentários:

  1. Oi, Helô,

    O meu marido é dentista e quando a nossa primeira filha nasceu ele chegou a dizer que não adotaríamos a chupeta. Mas a decisão dele durou pouco, pois a nossa menininha chorava muito e acabamos capitulando, rsrs. Com a segunda filha foi a mesma coisa e ambas abandonaram o hábito sem muito sofrimento, rsrs.

    Ah, me lembrei agora que você fez duas perguntas nos meus últimos posts e eu me esqueci de respondê-las, então lá vai:

    Temperei o filé recheado só com alho e sal, porque aquela linguiça tem sabor forte, rsrs.

    A receita dos muffins de abóbora faz 18 muffins grandes.

    Um beijo e boa tarde!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Helô!
    Mas que coisa, heim! A gente nunca sabe o que deve-se fazer ou não, por isso o que vai é nossa sensibilidade diante como se apresenta o conforto da criança.
    Meu filhote também a usou e descartou-a com uma dessas estorinhas que a gente cria e não ficou nem um pouco dentuço ou psicologicamente afetado com nada.
    A gente tem que fazer mesmo é o que manda nossa consciência e coração.
    beijos cariocas

    ResponderExcluir
  3. É incrível esse vai e vem de proibições e liberações. Ora santos, ora condenados,não é?

    Por isso, acho que vale sempre o nosso livre pensar, nossa intuição, que mostra caminhos...

    Adorei o post e as fotos da Isadora pequeninha!! Parece ontem,não?

    beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. Heloísa, os meus três usaram e as meninas usaram aparelhos ortodônticos apenas para correção de espaço, não tinha nada de "dentucinhas". O filho nunca usou aparelho e tem a arcada perfeita.
    Então, chupeta não faz mal...rsrsr
    Dos netos, o de 5 anos nunca usou, minha filha era ferrenhamente contra, não ofereceu, ele não "pediu" e nunca usou. Os gêmeos, de 3 anos, largaram há poucos dias, sem problemas. E a Letícia, de 3 anos, usou pouco, tinha mas não era "fanática", não chegou a completar 1 aninho usando.
    Sempre há controvérsias quanto ao uso ou não da chupeta. (aqui em Minas falamos muito "bico". Tem até apelido: bubu. rsrs).
    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Olá Xará!
    Somente uma de minhas filhas adotou a chupeta e achei que ajudou bastante. Abandonou sem traumas. As outras duas infelizmente, já chupavam o dedo dentro da barriga e não houve como substituí-los pela chupeta. Mas o abandono foi tranquilo.
    Acho que pode sim.

    ResponderExcluir
  6. Ela não sentiu tanto largar a chupeta, talvez eu que tenha sentido mais a mudança da fase. De super bebezinha para bebê! rs E sou a favor, como é bom para a criança! Me parece que faz parte!
    beijos,
    Pri

    ResponderExcluir
  7. Heloísa
    Acho que já lhe contei noutra ocasião que a Carolina usou chupeta quase até aos 5 anos, então esse é um assunto que ME deixou traumatizada (rsrs). Hoje em dia eu culpo-me por não ter sido mais firme para que ela tivesse largado a chupeta mais cedo, mas agora não há nada a fazer... o que há a fazer é que ela vai ter que usar aparelho, porque ficou "dentuça", sim. Mas eu compreendo perfeitamente que isso foi pelo exagero, se ela tivesse largado aos 2 ou 3 anos, penso que não teria acontecido os dentes ficarem assim saídos.
    Mas acho que os bebés devem usar, é um conforto para eles, e também para quem cuida deles, claro, porque sem dúvida que os acalma. Temos que ter cuidado com as "modas", porque mesmo os médicos mudam de opinião com demasiada frequência. O que hoje é verdade amanhã pode já não ser.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Helô, meus tres filhos usaram chupeta, deixaram entre os 3 e 4 anos, meu neto usa, e penso que ela faz parte da criança, e com carinho e persistência, conseguimos ajudá-los a deixar de usá-la no momento certo. Lí a matéria na Folha, e é muito interessante a controvérsia de pensamentos. Adorei esse post,
    Bjs e ótimo f.d.s.,

    ResponderExcluir
  9. Sei que não tem nada a ver com o tema, mas reparo muito essa questão do 'pode e não pode'. Hoje em dia, certas pesquisas dizem que chocolate é bom e outras dizem que é mau, e assim vai para o café, tomate, carne vermelha, etc... O bom mesmo são os aprendizados 'reais' que a gente leva: gostei demais de aprender sobre a chupeta para os passarinhos. Qdo tiver meu filhinho, lembrarei disso.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.