quarta-feira, 4 de julho de 2012

De prosaico a "cult"






Outro dia, para o almoço, fiz um quiabo refogadinho. Lembrei muito de minha mãe, que quase não gostava de verduras ou hortaliças, mas apreciava bastante um quiabo bem feito, ou seja, sem sua característica baba.
Tirei algumas fotos da minha preparação, pensando num possível post. 
E não é que, passados alguns dias, li uma matéria * exaltando o quiabo, e afirmando que ele ganhou”status”, conquistou os “chefs” e passou a ser usado em pratos refinados? 
Até suas sementes passaram a ocupar um lugar de destaque, sendo servidas como caviar vegetal por uma famosa “chef” brasileira. 




           Prato de quiabo em que as sementes se transformam num caviar vegetal, da chef Roberta Sudbrack



Antes dessa "descoberta", o quiabo não frequentava lugares estrelados.
Pois é. Também existe preconceito em relação a ingredientes ou comidas, e ele sofria desse mal. E parece, também, que algumas coisas precisam ser “descobertas” por “entendidos”, para então passarem a ser apreciadas. 
Daí, desaparece o preconceito, como num passe de mágica.
Ainda bem que não precisei esperar essa elevação de "status" para comer um bom refogadinho de quiabo, ou o gostoso prato mineiro de frango com quiabo. 
Tudo sem "baba", lógico. 
Para isso basta usar no cozimento um pouco de limão, ou de vinagre branco.




       

(* Caderno Comida da Folha de São Paulo de 20/06/2012)



9 comentários:

  1. Tenho traums com quiabois. Minh mãe fazia, ela adorava e eu via a baba, nem podia chegar perto.E ela forçava. Não como nunca mais!!!

    Mas tem muitos que adoram e respeito e o teu é sem baba!! beijos,tudo de bom,chica

    ( E há modismos desnecessários...

    Condenam e redimem alimentos de uma hora pra outra. Já aconteceu com ovo, chocolate, porco, vinho, tantas coisas...)

    ResponderExcluir
  2. Acredita que nunca provei? Mas gostava de saber se é bom :)

    ResponderExcluir
  3. Eu gosto! E, embora o consuma só de tempos em tempos, costumo acrescentar quiabo até no feijão! rsrs.
    Pois é, eu suspeito que esta redescoberta do quiabo aconteceu depois que algumas pessoas tomaram conhecimento de que este vegetal é muito consumido e apreciado nos USA, coisa que eu sempre soube, por causa dos meus livros de culinária gringos, rsrs.
    Eu também uso limão ou vinagre para tirar a baba, mas há quem diga que a fritura em óleo bem quente também acaba com ela, rsrs.

    Beijo e boa noite, querida!

    ResponderExcluir
  4. Hoje não fiquei com água na boca, rs, detesto quiabo!!!!
    Mas tá ficando chique o tal do quiabo né!!! Mas não quero não, brigada!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. AMO quiabo!
    Minha mãe fazia tão bom, aprendemos a gostar desde criança. Agora como o que minha sogrinha faz, ja que mamãe se foi... mas o da sogra é tão bom quanto!!! rss
    Eu ainda não tentei aprender, mas um dia farei sim!
    Bjo!

    ResponderExcluir
  6. Heloísa, ele pode ser tornar o rei da mesa, mas não como.
    Marido gosta é com baba, faz questão...rsrs (meu pai tb gostava "babento"). Não gosto, mas faço e o meu fica no meio termo, nem baba muito nem fica sem ela. Acho que o segredo é mesmo passá-lo pela gordura bem quente, depois escorrê-la e refogá-lo. Enfim, não vou passar a comer só porque ficou "in". rsrs
    Beijo!

    ResponderExcluir
  7. Dois dias depois do seu post o Globo Reporter falou bem do quiabo. E parece que tem uma pesquisa dizendo que a baba é um santo remédio! Só vi o final, mas parece que o programa trouxe infos interessantes sobre alimentação. Está lá no arquivo da Globo.com, se quiser ver.
    beijos

    ResponderExcluir
  8. Minha mãe fazia um quiabo que ficava uma delicia. O meu sempre fica com uma babinha.

    ResponderExcluir
  9. Helô, desculpe o sumiço, mas estou desde ontem tentando visitar os amigos...
    Nada tenho contra o quiabo. Engraçado que não uso nem vinagre nem limão, lavo e enxugo os quiabos e faço normalmente. Nunca ficam com baba.
    Bom final de semana e viva a queda do dentinho da Isadora...rs!

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.