segunda-feira, 30 de julho de 2012

Politicamente correta?






Com frequência vemos referências à linguagem politicamente correta.
E parece que, cada vez mais, tenta-se dissociar a palavra da sua concretitude, para dar uma aparência de melhor situação.
O velho, que é quem já viveu bastante, não pode ser chamado de velho, mas sim de alguém que está na melhor idade, ou na terceira idade. Na verdade, ele continua a ser velho mas, por uma assepsia na denominação, ele está na melhor idade.
Não se pode mais fazer referência a alguém usando-se a palavra gordo. Politicamente correta, a referência deve ser a de alguém com excesso de peso.
Anão é o portador de nanismo, e deficiente físico deve ser denominado de pessoa com deficiência.
Negro é afrodescendente, ainda que haja brancos de origem africana.
Não é difícil perceber que o distanciamento da realidade, adotado pelos termos politicamente corretos, acabam levando ao ridículo.
Essa política, importada dos Estados Unidos, pretende evitar preconceitos em relação a certas pessoas ou a grupos minoritários.
Acontece que o problema da discriminação, ou do preconceito, não está na linguagem. Está nos indivíduos.
E não é o fato de se usar palavras consideradas politicamente corretas que estará eliminando o preconceito. A palavra isolada não permite uma apreciação social. É avaliada de acordo com a forma pela qual é dita, ou dentro de um contexto.
Assim, se alguém se refere a um negro com desdém, estará manifestando preconceito.
Da mesma forma, quem chama alguém de velho, querendo significar que tal pessoa não serve para nada, e não deve ser levada em consideração, estará mostrando discriminação. E isso, não em virtude do vocábulo, mas da inflexão que foi dada à palavra.
Nesses últimos dias tomei ciência de outra palavra politicamente correta: colaborador, para ser usado no lugar de empregado, ou funcionário, evitando, assim, uma conotação de subordinação.
Achei, isso, ridículo. A subordinação continua, pois ela é implícita ao conceito de emprego. Muda somente a palavra, esvaziada do seu real conceito, o que mostra a falsidade da linguagem politicamente correta.
Não seria mais adequado dar-se ênfase ao uso da linguagem com bom senso e com respeito ao próximo?



9 comentários:

  1. Seria. O mesmo se pode dizer das mudanças nas cantigas, como atirei o pau no gato, ou boi da cara preta e outras, tudo de uma falsidade tão besta! E diga-se, quem esta velho nao esta na MELHOR idade, isso nao mesmo, e tambem os empregados não sao colaboradores, são empregados, se tratados com respeito, serão otimos empregados, se tratados com desrespeito serao pessimos "colaboradores"!

    ResponderExcluir
  2. Tudo neste mundo está muito mudado, ou somos menos tolerantes com as babaquices, né, Heloísa?
    O respeito é fundamental, basta usá-lo e pronto.
    O que se diz, como se chama quem ou o quê, é secundário.
    Ótimo texto.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Com certeza! Em alguns casos chega a ser patético - e/ou parecem piada.
    beijos,
    Pri

    ResponderExcluir
  4. Minha querida Heoísa,
    Tô contigo e não abro!
    Esta expressão é a mais enfatizante que pensei para dizer que acho os dias de hoje um saquinho, uma chatura, bem como você disse de uma falsidade enorme, pois até o encantador escritor dos nossos tempos, Monteiro Lobato, foi tachado de preconceituoso, que bobagem!
    A coisa está tão chata e a gente tem que estar o tempo todo se policiando para não 'melindrar' um ou outro que, um amigo de meu marido que estava noutro dia na padaria, disse que olhava o doce que ele queria levar exposto na vitrine, mas não tinha coragem de pedir em voz alta, pois o doce era o famoso 'nega maluca' e ele olhava para um lado e outro e tinha vergonha de pedir com este nome ao balconista que era negro.
    Aí ele disse ao meu marido que para não melindrar ninguém achou melhor apontar o que queria, senão teria que pedir no corretamente político atual, ou seja: "Por favor, me dá um desses moça afro-descendente com problemas mentais". Quando ele nos contou isso foi uma risada só, mas só falta isso qualquer dia, né mesmo?
    Excelente post, adorei!
    beijos cariocas

    ResponderExcluir
  5. Perfeita tua colocação e RESPEITO é o melhor caminho sempre. Já em casa( uma mala ainda n~]ao chegous,rs,coisas dos nossos voos lotados) tentando iniciar...beijos,chica e tudo de bom!

    ResponderExcluir
  6. Helô,

    A tal linguagem politicamente correta é uma grande bobagem! rsrs.
    É pelas razões que você citou (e outras!) que muitos a odeiam, rsrs.

    Beijo e boa noite

    ResponderExcluir
  7. Vivemos num mundo hipócrita Heloísa, infelizmente é assim :)

    ResponderExcluir
  8. Diego Pereira disse:

    A terminologia pouco importa, pois não é com o ouvido que se sente a rejeição: é com o coração.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Olha, eu não poderia concordar MAIS contigo...

    acho ridículo o emprego de novas palavras em velhos preconceitos. Nada muda, quando vc diz negro com preconceito ou afrodescendente com preconceito. Não muda nada!

    Colaborador é horroroso e a empresa para qual trabalho começou a nos chamar assim... o que só gera mais decepção, pois mudam a palavra, mas não a forma com que nos tratam. Eu sou uma funcionária e ponto. Não sou colaboradora.

    Adorei o texto.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.