domingo, 8 de novembro de 2009

Memória fotográfica



Em viagem, fiquei espantada com o número enorme de pessoas tirando uma sequência de fotografias, ao mesmo tempo, de um mesmo lugar. Fiquei com a impressão de que o mundo inteiro está transformado em fotógrafo.

Embora com as máquinas analógicas (com filme) já houvesse um número expressivo de fotógrafos, com a máquina digital esse número teve um aumento impressionante.

E a quantidade de fotografias tiradas por uma mesma pessoa é absurdo. Como não há necessidade de revelação, são várias as fotos de uma mesma imagem, que ficam armazenadas “digitalmente”.

Bem diferente do tempo antigo, quando as fotos existiam em um número mínimo.  Muitas pessoas atravessavam a vida, e deixavam somente uma, ou duas fotos de sua imagem.

Mas como eram importantes essas fotos. Geralmente em papel cartão, ou papel de muito boa qualidade, elas ficavam totalmente vinculadas à pessoa, e atravessavam séculos guardadas por seus descendentes. Tinham, mesmo, um certo ar de herança.

É raro encontrar alguém que não tenha em seus guardados uma foto antiga de um avô, bisavô, trisavô ou até tataravô. E, caso não tenha essa foto, com certeza já a viu na casa de algum familiar e sabe perfeitamente quem é o retratado, que viveu há anos, e até há séculos atrás.

Acho difícil que essa situação se repita nos anos futuros. Hoje, são tantas as fotos de uma pessoa, que dificilmente haverá uma que atravesse os séculos, permitindo que os descendentes do retratado saibam exatamente de quem é aquela imagem.

E existe, ainda, outro problema: a falta de impressão. Será que os meios digitais conservarão nossas milhares de fotografias? Será que conseguiremos organizá-las de uma forma que nós mesmos consigamos localizá-las? Será que nossas fotos digitais terão a mesma permanência das fotos antigas?

Na foto do início, aparece minha mãe (Norma) com seus pais (nascidos no século XIX) ainda jovens e quando idosos (ao seu lado e acima), seus avós paternos e maternos. 

Abaixo, meu pai (nascido no início do século XX ) e seu pai. Não conheci pessoalmente meu avô paterno, falecido cedo, mas essa é a foto que o identifica. Toda vez que a vejo, lembro da relação familiar que nos une.


Meu pai


21 comentários:

  1. Heloisa ,também tenho receio que com essa era digital muitas imagens se percam por ai ..Uma pena ..Na minha família temos inúmeras fotos dos antepassados ,de avós ,bisavós ,tataravós ..etc .
    Acho muito bom ter essas recordações .

    ResponderExcluir
  2. Helô, um dia, todo mundo conversando besteiras com minha mãe, eu disse :
    - Quando você morrer eu não vou brigar por nada, a não ser sua coleção de fotos!
    As fotos antigas são maravilhosas e ela tem um monte. Ali, no seu bauzinho, estão registradas , década de 30, 40,50, 60,70,80,90 e por aí vai.Moda, estilos,paisagens que não mais retornam...um verdadeiro tesouro!
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Eu revelo, ou melhor, "imprimo" sempre as fotos, adoro fazer álbum, folheá-los e levá-los para todo lado.
    Mas admiro-me também com o tanto de fotos que as pessoas batem...
    Delícia de post, Heloísa...
    Boa semana p/ vc!

    ResponderExcluir
  4. Helô,
    Tem razão, também já pensei muito sobre isso e estou pensando até em mandar imprimir algumas das muitas que fazemos com estas maravilhosas digitais.
    Eu também tenho uma foto de meu avô paterno junto com todos os filhos, inclusive meu pai que na época era rapazola. Vou procurar por onde anda esta raridade.
    Quanto às fotos atuais que todo mundo faz em frente aos mais famosos monumentos mundiais, simplesmente não gosto de ficar mostrando pras pessoas, pois acho que hoje em dia já tornou-se tão banal as pessoas viajarem que fico achando um saco alugar os outros para mostrar as minhas andanças.
    Gosto mesmo é de fazer fotos de coisas diferentes e genuínas que vou achando pelos lugares.
    um beijo carioca

    ResponderExcluir
  5. Pois é, minha querida, o que é realmente importante deve permanecer. Origem, família, valores! Nem água e nem o amarelado do tempo fazem desaparecer o respeito que temos. E a gratidão pela oportunidade de nossa vida!
    Coloquei a foto do casamento de meus pais no blog. Beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Que lindo texto, muito verdadeiro. E as fotos sao fantasticas!
    Eu adoro ir na casa dos meus avos quando estou no Brasil, e ficar vendo os albuns de fotos antigas. Sao lindas. Todas essas fotos sao muito especiais (as de todas nos!) porque nos contam um pouco da historia do desenvolvimento do nosso pais e como nossa familia fez parte dessa historia!
    Sao verdadeiros tesouros!
    Um abraco e otima semana!
    P.S. Amo cachorrinhos! Infelizmente aqui na India eh muito dificil ter um (apesar de que muita gente tem), porque nao tem lugares apropriados para passear com eles (as ruas sao muito sujas e dentro do condominio eh proibido) ou para deixa-los quando viajo.

    ResponderExcluir
  7. Heloísa,
    Concordo com você por isso escolho sempre algumas fotos das minhas viagens, dos meus passeios, das festas de família para imprimir. Acho que uma fotografia em papel tem muito mais valor do que imagens armazenadas num computador.
    Vejo como um tesouro as fotos antigas dos meus antepassados. Não conheci o meu avô materno, nem a minha avó paterna, mas tenho as suas fotos que são muito valiosas para mim. São a minha única memória deles.
    Acho que devemos preservar esses pequenos tesouros para memória futura.
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Oi Helô, adorei o post, muito legal ver essas fotos antigas, eu mesma não tenho muitas fotos de quando era criança, e hoje em dia tiro muuuuitas fotos da Nathalia, já tenho 09 cd de fotos, mas ao contrário de muita gente eu estou sempre revelando as preferidas, tenho 03 álbuns dela. Mas adoro ver fotos antigas, lá em casa a gente tem fotos da minha mãe quando era jovem naqueles "binóculuzinhos".
    Bjs e tenha uma otima semana!

    ResponderExcluir
  9. Helô, adorei seu post! A tecnologia está a todo vapor, tudo vai ficando mais fácil, mas em contrapartida, se perde também com maior facilidade... uma pena!!
    Para que isso nao aconteça, eu e o Marcelo temos imprimido algumas fotos que gostamos mais, e as guardamos em álbuns...
    Mas nada se compara a beleza das fotos antigas, nao é mesmo? Vejo as fotos que minha avó tem, de seus pais, seus avós e antepassados, e babo em todas elas!
    Bjo grande,

    Mari

    ResponderExcluir
  10. Adoro fotos antigas e tenho muitas cá em casa :) Acho-as lindas, ainda por cima a preto e branco :)

    ResponderExcluir
  11. Helô, meu marido pensa em digitalizar todas as fotos que temos em álbuns, o que acho uma loucura...
    Sabe aquele vídeo que fiz sobre a vida dos meus pais? Só foi possível porque conservaram inúmeras fotos, que me delicio revendo toda vez que viajo pra lá.
    Fotos antigas são maravilhosas. E os quadros pintados com as imagens das pessoas? Isso também é muito histórico e marcou bastante uma época, seja nos lares abastados, seja nas residências bem simples.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  12. Oi, HelÔ!

    Você já checou seu hotmail hoje?
    Veja lá se recebestes minhas encomendas e depois me diga se gostou.

    Ah, fui lá no blog da Nina ver o caso e até deixei lá meu comment também. Valeu!
    beijocas cariocas

    ResponderExcluir
  13. OI Helô, tudo bem?
    Helô na casa da minha avó tem fotos da família dela toda e serão passadas também para nós, do jeitinho que vc disse no post.
    AS fotografias sao muito importantes, porque assim pude entender o porque só eu tenho esse cabelo cacheado, meu bisavo italiano que tinha esses cachinhos.
    bjusss

    ResponderExcluir
  14. Helô, em meio a era digital, confesso que já perdi fotos que nunca serão repostas. Emprestei um Cd com fotos da Giovana recem nascida e não me devolveram. O problema é que haviada dado uma pane no computador e tudo se perdeu, inclusive as fotos. Aprendi que não devo emprestar CDs. E que todos devem ter cópias. Rsss.
    E tem mais: Amo ver fotografias impressas. Não tenho paciência para ficar horas vendo fotos na tela. Gosto mesmo de pegar o bom e velho álbum, onde ficavam as melhores e fotos.

    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Helô,
    Eu me sinto hoje meio frustrada com relação às fotos. Tiramos centenas sempre e depois as mesmas ficam estocadas no computador ou cds. Sinto saudades do tempo em que eu tirava fotos e levava tudo para revelar. Era obrigatório se quisesse ver as fotos. E agora, que é mais fácil,pois podemos escolher as fotos que desejamos imprimir, geralmente não o fazemos. Aqui em casa pelo menos é assim.
    Mas tenho um projeto: fazer uma seleção de tudo e aos poucos ir imprimindo, fazendo álbuns. Só assim ficarei satisfeita.
    Eu adoro fotos antigas, muito antigas. Adoraria ter fotos de meus antepassados, meus bisavós, por exemplo.
    Beijos,

    ResponderExcluir
  16. Boa reflexão, e realmente acho que a era digital é irreversível, e essas fotos históricas tb. Parece que as imagens como tesouro realmente ficaram no passado, infelizmente. Temo inclusive pela qualidade da impressão das nossas fotos atuais. Fala-se muito na tecnologia, mas as fotos de 100 anos estão aí, lindas. E as nossas, como estarão daqui a 100? Estarão, será?
    beijos

    ResponderExcluir
  17. Heloísa,
    obrigada pela visita hoje e ontem. Obrigada pelas belas palavras no aniv. de 1 ano do meu blog. Estou contente com suas visitas.
    Essas fotos são lindas. adoro fotos antigas tb.
    bj

    ResponderExcluir
  18. Acredita que só tenho 3 fotos minhas, com 1 ano de idade? Nenhuma qundo bebê, nenhuma com pai e mãe e uma com 1 irmão, só!
    De mocinha, tenho umas 4 ou 5 apenas. E meu pai tinha uma super-máquina, mas acho que era caro revelar, comprar filme,sei não...O que sei é que já não tenho memória da minha vida, nunca tive, nunca me lembro de nada do meu passado (bem remoto...rsrsrs), e ainda mais sem fotos, aí é que é difícil saber...
    Também não gosto de ficar vendo foto em computador. Gosto é de papel, de poder levar dentro da bolsa, mostrar pra quem quiser, se quiser, a hora em que quiser.
    Bj

    ResponderExcluir
  19. Nossa, Helô!
    Como você se parece com sua mãe!

    ResponderExcluir
  20. Hum Helo que supresa gostosa!
    Puxa seu pai devia ser arrasa quarteirão da época heim!
    Adorei seu post e sua reflexão sobre a fotografia...Tenho várias fotos antigas da família que guardo com maior xodó. Mas tenho pensando numa forma de expo-las...Acho uma pena ficarem guardadas dentro de uma gaveta para o resto da vida...As digitais ainda não há ninguém no mundo que possa nos garantir de que elas sobreviverão como essas reliquias que temos guardadas.
    Adorei e recordei com vc.
    bjus

    ResponderExcluir
  21. Oi, Heloísa.
    Acabei de conhecer seu blog e gostei bastante. Vc escreve super bem.
    Adoro foto antiga!!!!
    Tenho algumas do meu avô nesse mesmo estilo da foto do seu pai. Só vc vendo que foto linda. Um verdadeiro galã.
    Um abraço

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.