terça-feira, 8 de junho de 2010

Cerejeiras em flor


No último fim de semana fui ao cinema assistir Hanami – Cerejeiras em flor, dirigido pela cineasta alemã Dóris Dorrie.

O filme, muito sensível, tem fotografia e música belíssimas.

Aborda problemas da velhice, incompreensão, solidão e morte. Mostra como os pais, muitas vezes, não reconhecem os filhos que criaram, e como os filhos adultos têm dificuldades para se relacionar com os pais idosos. 

Embora a seriedade do tema, o filme consegue manter leveza com a música, dança e com a visão linda das cerejeiras em flor.

A 1ª parte do filme passa-se na Alemanha, e a 2ª no Japão.

Achei a parte final um pouco arrastada, mas sem que isso tenha comprometido o filme. Contudo, é também nessa 2ª parte, que é mostrado o maravilhoso e tradicional costume japonês de apreciar a beleza das flores : Hanami. No caso, as flores são as das cerejeiras, e que também são mostradas como símbolo da efemeridade (uma das abordagens do filme).

Muito interessante uma passagem  que mostra o movimento internacional dos “abraços grátis”. O personagem principal está andando por Tóquio quando é convidado, por um jovem, para receber um abraço. Vivi algo semelhante quando estava passeando em Santiago (Chile), e passei por um grupo de jovens que estavam oferecendo abraços. Ganhei um abraço afetuoso de uma jovem loirinha, e contei nesse texto que escrevi, e publiquei, em 08.10.2008 (com foto e tudo).

O filme também dá bastante destaque à dança “butô”. Dança expressiva, com a sombra, passos lentos, bailarinos com os rostos pintados de branco, cujo grande mestre, e um dos seus criadores, Kazuo Ohno, faleceu aos 103 anos no último dia 1.06.2010.

Enfim, é um filme muito rico, e que provoca muitas reflexões. 

Um grande programa.

17 comentários:

  1. Oi, Helô

    Ótima resenha. Uma boa pedida.
    Como estão as coisas por aí?

    Bjs no coração!

    Nilce

    ResponderExcluir
  2. Heloísa, há alguns meses acompanho seu blog que é uma doçura de ler. Estou me inspirando nas suas "produções culinárias", viu? Quando teremos mais uma?
    Abraços da Ju - A casa da corujinha.

    ResponderExcluir
  3. OI Helô, tudo bem?
    E fugindo um pouco do filme mas com fatos reais que acontecem por aqui e é coisa normal, são os filhos deixarem os pais em casa de repouso e acharem uma coisa absolutamente normal.
    Eu já tive a oportunidade de visitar, pois o Chris tem um aquário e doou ele para a casa de repouso e 2 X ao ano ele vai limpar o aquário, vou junto, mas volto com o coração apertado. bjusss

    ResponderExcluir
  4. Muito legal teu jeito de contar!beijos e deve ser mesmo lindo!chica

    ResponderExcluir
  5. Gostei da indicação e do seu jeito em descrever...bom de lê.
    beijos!!

    ResponderExcluir
  6. Bom dia, Helô!
    Preciso ver este filme então!
    Sabe, quem convive com japoneses, ou pelo menos tem de perto, como eu, um vizinho japa, sabe bem disso que você citou: 'admirar as flores'.
    Sempre quando suas flores estão abertas, novas aparecendo, ele me liga para ir lá ver e fotografá-las.
    Vejo sempre em seus olhos a satisfação que tem com isso e adora quando me mostra, porque dou atenção e fico olhando junto os detalhes da flor abeta.
    Bem, mas eu adoro isso, sempre convivi no mundo das flores, afinal meu pai tinha loja de flores.
    Este contato com a natureza, o desabrochar de um botão, tem muito significado simbólico para a vida, mas uma pena que as pessoas, principalmente no ocidente, não percebem esta dádiva divina que nos é oferecida gratuitamente.
    Chega! Já escrevi um testamento.
    Mas é que adorei sua descrição e quis dar minha participação sobre o que penso e tenho vivido também dentro deste universo floral. hehe

    beijinhos cariocas

    ResponderExcluir
  7. Pela sua descrição, já fiquei interessada em ver o filme.
    Falou em flor, é um elemento a mais para me atrair, além da profundidade do tema.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  8. Helô,
    Alguém devia te contratar para fazer resenha de filmes, pois o seu texto é fluido e perspicaz!
    Esse filme parece ser do tipo que eu gosto, e já vou procurar saber como eu poderei vê-lo!
    Beijinho

    ResponderExcluir
  9. Oi Helô,

    gostei da dica. Vou conferir. Valeu!

    bjos e obrigada pelo carinho exposto lá no Café...

    ResponderExcluir
  10. Helo, querida, vale a dica, hein!? A proposito, ja retornei a casa, sã e salva! beijos

    ResponderExcluir
  11. Obrigada Helô pela indicação, sua narrativa é uma delícia, parabéns.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  12. Agradeço sua visita ao meu blog e seus elogios. Visitei seu blog e adorei. Falarei sobre ele brevemente no meu post. Aguarde…
    Bjks,
    Bete Aguirre
    www.beteaguirre.com.br

    ResponderExcluir
  13. Adorei o seu texto e a dica do filme. O seu blog transmite sensibilidade, paz e aconchego. Obrigada pela visita. Vou te seguir. Bjs

    ResponderExcluir
  14. Olá Helo,
    obrigada pela dica e vou logo assistir; ontem vi pela segunda vez "A Partida", se voce ainda não assistiu, é um belíssimo filme japones!
    Bj

    ResponderExcluir
  15. Heloisa
    Vou procurar esse filme, vc o descreveu tão bem e com tanta sensibilide que se faz necessário ver. Sem contar tb que sou apaixonada pela cerejeira, quando vejo pela TV nos jardins de Toquio a flora da cerejeira, fico vidrada pela beleza ímpar da natureza.
    Bjs

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.