domingo, 20 de julho de 2008

Fortalecendo a vontade

Estudei em colégio de freiras, cujos ensinamentos, na área comportamental, nem sempre recebem aprovação. Não sei como estão agora, mas na minha época, que era extremamente repressiva, dá para se ter uma idéia da rigidez das escolas religiosas.
Contudo, colocando na balança, acho que o resultado dessa educação foi positivo. Muitas foram as lições de amor e respeito ao próximo, que reforçavam as que recebíamos em casa.
Lembro bem de uma orientação que recebemos em relação à importância de fazer-se sacrifícios. Hoje, época em que a busca do prazer orienta praticamente todas as ações, tal lição seria desconsiderada ou, caso fosse dada, seria ridicularizada.
Um dos exemplos que nos foi dado naquela ocasião, era o de uma garota que ganhara uma caixa bombons que adorava, mas que deixou para prová-los só no dia seguinte. Isso, com a intenção de fazer sacrifício.
Que bobagem, dirão muitos, para que fazer sacrifício?

Sacrifício, no caso, nada mais é que uma renúncia, ou adiamento de um prazer, de forma voluntária.
Penso que, o objetivo do sacrifício é justamente fortalecer a vontade. Temos vontade de algo que está ao nosso alcance, mas deixamos para depois a realização do nosso desejo. Educando nossa vontade, saberemos enfrentar melhor muitos problemas que surgem durante a vida. E aprenderemos a fazer, sem grandes sofrimentos, aqueles sacrifícios que não escolhemos, mas que por um, ou outro motivo, temos que fazer, como por exemplo adiar, ou mesmo desistir, de comprar alguma coisa com a qual sonhávamos. Fortalecendo nossa vontade, com certeza, também conseguiremos deixar de fazer alguma coisa que nos dá prazer, em benefício de um nosso próximo (marido, mulher, pais, filhos e outros).
Com isso não estou querendo dizer que devemos deixar de buscar aquilo que nos dá prazer mas, sim, que nossa busca do prazer não deve nos transformar em seres egoístas, que sempre se colocam em primeiro lugar porque têm pressa em satisfazer suas vontades.

(Caixa de bombons da Loja Aquim, Rio de Janeiro)

9 comentários:

  1. Hummmmmmmm, assunto a se pensar e refletir, né? Acho q o mundo anda muito egoísta hoje... Geral!

    É uma vergonha...

    Bjos, vovó Helô! E como foi o show dos backys na visão das vovós???

    ResponderExcluir
  2. Como disse a Michele, Hummmmmm... Eu não sei não. Como ela, concordo que o mundo está egoísta. E, acrescentando, acho que já vivemos diversos sacrifícios cotidianamente, para ainda pensar em nos impor algo propositadamente para o treinamento da alma.
    Tb estudei em colégio de freira e a minha experiência foi um pouco diferente. Não as achei tão humanitárias, tão firmes no amor ao próximo. Não vi bons exemplos. E tb quero saber sobre os Backys na visão das vovós!

    bjs

    ResponderExcluir
  3. Oi, Michele e Priscila,
    O termo sacrifício talvez seja um pouco pesado, e mais associado a sofrimento. Não é a isso que me refiro. Sacrifício, simplesmente, é deixar de fazer algo por um motivo nobre. Aquilo que deixamos de fazer é algo que gostamos, mas abriremos mão, ou faremos mais tarde, sem sofrimento. As mães sabem bem o que é isso. Dia-a-dia, deixamos de fazer algo que nos dá prazer, porque estamos pensando nos nossos filhos.
    Quanto aos Backys, adorei. Acabei de publicar um texto sobre eles.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Heloísa, havia escrito um longo comentário mas não tive competência para registrá-lo. Agora só gostaria de sugerir que você escrevesse o que pensa sobre o modo como poderiámos trabalhar a sensibilidade das nossas crianças. Acho isso tão importante! Aprender a dividir e não apenas postergar um prazer seria um começo, não?
    Beijos
    Cecília Quadros

    ResponderExcluir
  5. Nossa, não sei se conseguiria seguir essa regra, principalmente com essa caixa de bombons, sou muito ansiosa, mais é uma coisa à se pensar, talves me ajudaria. Mais que é um sacrifío é!
    Beijocas!

    ResponderExcluir
  6. Queridas comentaristas,
    Parece que não fui muito feliz na escolha do título dessa postagem. Para ser sincera, não estava muito confortável com ele. Alguns comentários me fizeram pensar sobre a questão e percebi, que aquilo que eu queria expressar, não combinava muito com o nome do texto.
    Acho que o importante é fortalecermos nossa vontade, aprendermos a dividir (como bem disse a Cecília)e pensarmos no outro.
    Penso que a alteração do nome da postagem, talvez permita uma leitura no sentido acima exposto. Vou tentar isso.
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Heloisa, gostei do seu texto e, independente do título poder ser modificado, acho que essa questão da postergação do desejo é muito importante nos dias de hoje. Cada vez mais se busca a satisfação imediata,atravéz do consumo desenfreado. No entanto,sabe-se que isto leva a uma insatisfação constante,geradora de alguns dos muitos males de nosso século. Muito pertinente, portanto a sua colocação.Beijos,
    Arlette.

    ResponderExcluir
  8. Tia,
    Infelizmente os valores de respeito e educacao estão deturpados pela dinheiro até nos colégios de freiras. Meu filho estuda em um colégio de freiras e, as vezes, quem paga mais é quem manda. Fica dificil explicar para meu filho como funciona o certo e o errado, se até mesmo em uma escola que deveria reforçar essas liçoes, peca!!!! amem.

    ResponderExcluir
  9. Oi Heloísa,
    Eu visitei o seu blog e gostei muito, achei muito legal porque você fala sobre sentimentos, sobre amor e relações familiares, tudo muito singelo e tocante!
    Continue!
    Gostei do que você escreveu sobre a busca do prazer imediato e da necessidade da retidão, muito interessante...
    Bjs.,Teresa.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.