terça-feira, 20 de outubro de 2009

Desacelerar


Sempre fui tocadora de “sete instrumentos”, fazendo uma porção de coisas ao mesmo tempo. Como quero fazer tudo direito, acabo entrando num ritmo acelerado e cansando.

Durante minha vida profissional, e ainda com os filhos em casa, talvez esse comportamento tivesse justificativa, mas o fato é que me acostumei à correria, e muitas vezes me pego correndo sem necessidade. É hora, portanto, de refletir sobre isso.

E passando a prestar atenção na correria desnecessária, notei que leio os jornais aceleradamente.

Nunca fiz o treinamento de leitura dinâmica, mas talvez esteja usando métodos dessa leitura, pois num instante percebo tudo que o jornal está dizendo. Bato os olhos em uma folha, registro os títulos e subtítulos, filtro o que me interessa. E assim por diante. Ufa!

O mesmo na internet. Passo rapidamente de um site para outro, escrevo, pesquiso, ufa,ufa!

Percebo que esse tipo de comportamento cansa, e preciso aprender a desacelerar.

Estava justamente pensando nisso, quando ao ler a Folha Equilíbrio do dia 15/10/09 me deparei com o artigo da Rosely Sayão: “Apressando a vida”.

Nele, a autora diz que “a pressa tomou conta de nossas vidas”, afirma que “incentivamos a corrida sem fim dos mais novos” e indaga: “ Aonde precisamos chegar com tanta pressa?”

Isso me levou a pensar na cultura da pressa, que se instalou na sociedade. Estamos em outubro, e muitas das lojas das grandes cidades já estão preparadas para o Natal. Já há árvores de Natal à venda, e vários apelos comerciais. Os passeios de fim de ano já estão agendados, as viagens de “réveillon”, na sua maioria, já estão compradas. Ou é dessa forma antecipada, ou não se consegue fazer nada, é o que nos dizem. 

Desse jeito, fica difícil evitar a correria. Há um incentivo geral, que nos joga para a frente a todo o instante.

Para que tanta pressa? “Aonde precisamos chegar com tanta pressa?”

É verdade. Penso que justamente em virtude dessa correria é que sentimos o tempo passar tão depressa, e que temos a sensação de que, embora correndo, não conseguimos fazer tudo que gostaríamos.

Seria muito bom se conseguíssemos dar um ritmo mais lento à nossa vida, aproveitando cada momento, tal como fazem os moradores dos pequenos vilarejos. Lá, cada coisa no seu tempo. Estive há pouco numa cidade do interior de São Paulo, e não vi sinal de Natal. Que maravilha! Será que os que ali vivem, se queixam da falta de tempo?

 Ilustração daqui.

21 comentários:

  1. Olá Heloisa
    Por cá também é uma correria já se começa a ver enfeites de natal anuncios de publicidade, enfim o tempo corre a mil.
    Enfim ás vezes dava geito o tempo parar, quando os filhos são pequenos não temos tempo para eles e quando damos por isso é tarde, hoje por exemplo estou a viver com a minha neta o que não vivi com os meus filhos e tento de algum modo saborear mais a vida.
    Há um ditado popular muito antigo mas com algum sentido(VIVER NÃO CUSTA CUSTA É SABER VIVER)Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Heloísa, a sua reflexão sobre a pressa com que vivemos é muito interessante. Eu também, muitas vezes, paro e pergunto para mim mesma, "estás acelerada porquê?" Toda a nossa sociedade está construída nessa filosofia de acção, de correria, de multifunções e multifuncionalidades. Temos que parar e relaxar, respirar fundo e aproveitar a paz de fazer as coisas devagar e não se sentir culpado por isso.
    O meu dia hoje foi uma correria, tive que fazer mil coisas ao mesmo tempo. Agora vou jantar e deitar-me na cama a ver tv ou a ler um livro bem devagar e sem culpas!
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Heloísa!
    Eu também já percebi e tomei consciência disso...mas as vezes confesso que é complicado conciliar os meus passos tranquilos com a pressa do mundo.Acabo sendo vencida por prazos, tempos limites, Deadline.
    É exigido que você seja mais eficiente, e eficiente nos tempos de hoje é fazer o máximo, em menos tempo.Senão vc está fora!
    Espero que pelo menos na minha aposentadoria eu já esteja desacelerada..hehe
    Beijão, querida!

    ResponderExcluir
  4. É verdade, parece que estamos em modo automático! Pior é que faz mal... acho que a pressa causa stress e o stress pode matar. Temos que viver calmamente mas, hoje em dia, não é nada fácil :)

    ResponderExcluir
  5. Eu também preciso desacelerar...e muito!!!
    Acho que por isso minha pressão anda batendo 17/11 , dormindo, de madrugada!!! Oh! Céus!!!

    ResponderExcluir
  6. Também era igual a voce, fazia 10 coisas ao mesmo tempo e nem me dava conta. Lembra da máquina Singer; Costura, chuelia, prega botão, faz bainha e aplicação... Isso também é coisa de mulher amiga. Preste atenção e vai ver que somos realmente multifuncionais; cuidamos da casa, do trabalho, dos filhos, do marido e ainda encontramos tempo para papear, se arrumar e vira e mexe estamos com nossas agendas lotadas. Mas da pressa essa consegui me livrar viu.
    Natal, por exemplo, não tenho nada programado e nem quero ter. Quando chegar lá para depois do dia 15 de dezembro vou começar a pensar se vou viajar (para uma das minhas casas), se vou cozinhar, se não vou fazer nada...Não tenho mais essa pressa e nem me envolvo mais na correria dos outros não.
    A refelexão é sempre boa para as pessoas encontrarem uma medida, afinal o mundo não vai acabar amanha e nem no Natal.
    Adorei seu post e a maneira clara como vc. o escreveu.
    bjus

    ResponderExcluir
  7. Heloísa,
    este ano por acaso acho que por aqui ainda não começou a febre (do consumismo) do Natal, até estou admirada (será por causa da crise?), mas não deve tardar muito para que isso aconteça. Só reparei que na tv já passam muitos anúncios de brinquedos, esse foi o 1º sintoma... as crianças começam a fazer a lista para o Pai Natal, e são bombardeadas com 1001 brinquedos, é um horror.

    Realmente não sei para que é tanta pressa, mas a nível profissional isso quase é exigido, muitas vezes é mesmo exigido. Por exemplo num anúncio de oferta de emprego podemos ver frequentemente que um dos requisitos é "saber/gostar/ser capaz de trabalhar sob pressão", acho isto horrível!

    Outro aspecto é os pais inscreverem as crianças em mil actividades: línguas, desporto, teatro, etc., etc., por um lado para os manter ocupados, por outro para que eles se tornem muito competentes ?!?
    Tudo o que estão a fazer é a ensiná-los a viver em stress, corre para aqui, corre para ali, e depois ainda ficam contentes pq assim eles chegam a casa cansados e "já não chateiam" :(
    Não há paciência!

    Heloísa, já viu que eu não tive pressa nenhuma ao escrever um comentário tão longo? :))

    beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Olá Heloisa, passo pela mesma sitação que a Tânia, acrescentando à isso a minha pressa natural, preciso refletir sobre isso também, até porque, quando solicito e as coisas nõa são feitas no "meu tempo", agradeço e faço eu mesma. E naturalmente o cansaço aparece, com ele as vezes a irritação. Você me deu um "alerta", está na hora de serenar.
    beijinho e obrigada.

    ResponderExcluir
  9. É mesmo uma realidade isso vovó. E como andamos apressados! Eu sou muito agitada e somando-se a exigência própria de perfeição, isso tem me causado um stress grande ! Até o oftalmo me disse isso quando relatei que meu olho "pula" várias vezes ao dia, rss.Mas com tanta coisa pra dar conta, o que se há de fazer? E vejo que me meu menino também é agitado (nasceu de oito meses). Será que é de sua natureza ou estou o influenciando muito?
    Muito interessante esse post.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Helô eu tb sou muito agitada, quero tudo pra ontem, sei que preciso mudar isso para não ficar doente, mais enquanto trabalhar fora não tem outro jeito. Me irrito até com pessoas sossegadas demais, depois reflito e vejo quie elas que estão certas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. OLá Helô, tudo bem?
    Eu me identifiquei com seu post, entro no trabalho as 14:30, saio de casa as 13:30, e todos os dias acordo cedo para estudar, colocar a casa em ordem, ler e-mails, post no blog e dos que acompanho, mas percebi uma coisa, acordo já acelerada e parece que nada anda.
    Começo a estudar olho no relógio já é hora de almóçar e sair.
    E está tudo realmente num ritmo tão acelerado, que não sei onde vamos parar.
    bjusss

    ResponderExcluir
  12. Helô, hoje pela manhã vi um anúncio que me chocou: Chegada de Papai Noel em 31 de Outubro. Eu Pensei: Caraca, Noel vai chegar 2 meses antes! Que horror!
    Essa correria louca me deixa tão cansada! Parece que eu estou sempre atrazada em relação aos outros... Mas, não sou eu que estou atrazada e nem tenho o costume de deixar nada para a última hora, é, só que quero fazer tudo no seu devido tempo! E mesmo assim a correria do dia a dia já cansa. É trabalho, filho, casa, marido, tanta coisa, que é impossível não cansar... O jeito é realmente desacelerar!

    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Antes da minha aposentadoria, havia quem me chamasse de mulher elétrica.
    A pressão é grande, o serviço é muito, faltam pessoas para dividir, enfim...
    Agora, trabalho muito ainda, mas a prioridade sou em quem estabeleço. Isso faz toda a diferença.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  14. Muito bom seu comentario, vc sabe que quando estava em Sao Paulo vivia n correria, e até sentia um sentimento de culpa se nao estivesse com a agenda lotada e meu dia fosse corrido. Lembro de ter chegado aqui e notar que as pessoas no metro pareciam estar em câmera lenta.
    Hj em dia acho que aqui estao apressadas e em Sao Paulo saio com dor de cabeça . Acabei desacelerando sem querer, e aqui Natla so se ve a fins de Novembro começo de Dezembro.
    Mas certos habito sao eternos ainda leio muito rápido :)
    Bjs

    ResponderExcluir
  15. Deixei um desafio para ti no meu blog, mas é só se quiseres responder, ok? Não é obrigatório :)

    ResponderExcluir
  16. Oi Heloisa, essa tal da pressa! J'a se dizia inimiga da perfeicao... Eu comecei o trabalho de organizacao de fotos e, logo, outras coisas ficaram pra depois... E agora sinto como se tivesse que correr pra dar conta do que nao fiz... Sera mesmo necessario?

    Aqui na America todos tem pressa! E, pelo visto, ai tb.

    Bjs e otimo post!

    ResponderExcluir
  17. Querida Heloisa, eu já refleti muito sobre isso e cheguei a uma conclusão (para mim): se estou na cidade e quero estar inserida no contexto da cidade, tenho que andar no ritmo dela - e este ritmo é apressado. Agora, depois que isso mudar - e se isso mudar - eu vou desacelerar... Enquanto não acontece, eu desacelero quando viajo para o mato. Vez em quando é bom!...

    ResponderExcluir
  18. É verdade, Helô. Sinto que o dia voa e não conseguimos dar conta das coisas rotineiras, quiçá das outras que aparecem pelo caminho... Também me pergunto para que tanta correria, o stress nos atropela e várias vezes me pego também cobrando do meu pequeno que entre no ritmo...mas ele só tem 4 anos...
    Gostaria muito de viver numa cidade como essa que você falou, vivendo cada época no seu tempo certo. Em julho já vemos coisas referentes às festas de Natal...daqui a pouco já começarão as propagandas do Carnaval...
    Para que?
    Beijos e ótima semana!

    ResponderExcluir
  19. Sou assim também Helô...aceleradíssima!
    Ás vezes, paro e penso?
    "Peraí, porque estou assim, com tanta pressa?"
    Então, me concentro para diminuir o ritmo das coisas que estou fazendo, ou irei fazer.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  20. A reflexão é complexa! Mas ótimo pensar. E agir para amenizar melhor ainda... bjs

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.