segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Festas de família?

Não sei quando foram instituídas as comemorações do dia das mães e do dia dos pais. E não tenho a menor idéia da época em que essas comemorações passaram a integrar o calendário escolar. O que tenho certeza é que, no meu tempo da infância e até da juventude, não havia comemoração dessas datas fora do âmbito familiar.
Já no tempo de escola dos meus filhos, as datas eram lembradas com a confecção de um mimo simples para ser entregue pelas crianças no dia da comemoração, em casa.
Hoje, acompanhando a vida escolar da minha netinha, vejo que as escolas realizam festinhas para a comemoração das datas. Alguns dias antes, não sei dizer quantos, começam os preparativos para a festa. Há ensaios para a apresentação de danças, ou outras exibições, pelas crianças, e preparação de presentinhos. A festa ocorre alguns dias antes da data, na presença dos pais, chamados por convites.
A data reservada para a comemoração do dia dos pais é o 2º domingo de agosto. Como falta pouco para a data, com certeza as escolas de educação infantil já estão há alguns dias desenvolvendo o tema com suas crianças.
E é nesse ponto que surge minha dúvida : será que essa comemoração não é uma festa tipicamente familiar e, como tal, deveria ser reservada para o âmbito familiar?
E isso porque, nem todas as crianças têm pais presentes, e muitas ainda não têm idade, nem a compreensão necessária para o enfrentamento de uma maratona de preparativos para uma data que não poderão festejar.
Na minha família há três crianças que perderam o pai precocemente. Uma delas, a maiorzinha, já sofre, com consciência, a falta do pai. Será justo submetê-la a uma situação de dificuldade no ambiente escolar? Será que essa situação de dificuldade, pelo menos na fase em que lhe falta compreensão total do fato, não deve ser vivida unicamente no ambiente familiar? Será que sua família, e sobretudo sua mãe, não saberão lidar melhor com a dor dessa ausência?
O mesmo se diga em relação às crianças que têm o pai ausente por outros motivos, às crianças que têm dois pais( pai e padrasto), às crianças com pai desconhecido, e outros casos. Por ocasião do dia das mães, situação similar. Há crianças que já perderam a mãe, há crianças que vivem com as avós, há crianças que vivem com a madrasta (convidar quem?). Enfim são inúmeros os motivos pelos quais o modelo papai, mamãe e filhinhos não pode ser considerado como constante.
Além disso, também não podemos esquecer que há famílias que, por princípios, ou outras razões, querem passar por essas datas sem qualquer tipo de comemoração, e a preparação de festas na escola, com o convite para a presença dos pais no dia do evento, poderá causar constrangimentos para as crianças.
Dia das mães, dia dos pais e até dia dos avós. Todas essa datas contêm uma dose enorme de amor. Com toda a certeza, devem ser lembradas.
Mas, será que a comemoração não deve ficar para as famílias?

16 comentários:

  1. Nossa tia, que tópico incrivel. Realmente nos faz pensar. No meu caso,sou divorciada e o pai de meu filho nem sempre está presente. É algo que machuca meu filhote quando tem comemorações desse tipo e o deixa muito triste quando tem gincana, festinha e presentinhospara o papai na escola e o pai dele não está. Eu acho que poderia ter menos "festinhas" nas escolas, principalmente por esses motivos citados por voce. Pais que ja faleceram e o nosso super mundo moderno de filhos com pais biologicos, padastros, "tios", e sei lámais o que. Acho que um petit comité seria melhor nessas horas.

    ResponderExcluir
  2. Acho saudável a comemoração pela lembrança, infelizmente, nem todos, como vc mesmo citou, têm a possibilidade de ter o pai presente por inúmeros motivos e isso pode causar certo desconforto...

    Nem sei bem o que pensar, enfim, acho ótimas as festinhas, porém nunca me coloquei no outro lado da "coisa", e percebo que isso é imensamente chato, né...

    Bjosssssss

    ResponderExcluir
  3. Concordo totalmente. E não é porque a minha filha é uma dessas crianças. Fora as que perderam o pai, conheço inúmeros casos como os citados pela Tchu e que são igualmente desconcertantes e terríveis para as crianças. Por que submetê-las a isso? As demais, que os têm, comemoram em família. E as que não têm, ou têm relacionamento diverso que não garante essa participação no dia-a-dia, vão celebrar à sua maneira tb, certamente ao lado de pessoas que as amam.

    ResponderExcluir
  4. É realmente bem complicado. Na verdade todas estas comemorações são muito comerciais, mas eu confesso que gosto de comemorar tudo. No meu caso, a Giovana tem pai vivo, atualmente casado com outra mulher. Ele era totalmente participativo até ela completar 1 ano; ficou quase 6 meses sem querer saber, e, agora, acredito que ele percebeu que filho é pra sempre, e, está tentando reconquistá-la. Ainda não sei como será quando ela estiver no colégio, mas vou sempre tentar mostrar que o papai a ama muito, mesmo não participando da festinha. Ela irá almoçar com ele no dia dos pais e levar o presente que já compramos.
    Acredito que a maioria das crianças possuem essas "novas famílias", mas infelizmente não dá para generalizar e não comemorar na escola, logo, as nossas crianças que não tem família convencional, sofrem mais. É uma pena! Elas são tão pequenas e já convivem com essa realidade.
    Mas uma coisa é certa, nossas pequenas são muito amadas, são bem instruídas, e vão tirar de letra tudo isso. Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  5. Acho que o correto seria que todas escolas fizessem somente uma festa:

    A Festa da Família

    Em uma data intermediária. Aí cada criança levaria a "sua" família. Única e especial.

    ResponderExcluir
  6. Vovó Helô, adorei a idéia da Nina. Sonho em me formar em pedagogia e abrir um colégio (atualmente dou secretária numa Assessoria Jurídica). Mas gostei da idéia da Nina de comemorar à família, e, se puder, um dia colocarei em prática. Beijos

    ResponderExcluir
  7. Tb gostei da idéia da Nina. Boa mesmo. A criança comemora a SUA família, do jeito que ela é. Aliás, até o desenho do Barney - com quem vc, vovó Helo, tem até uma foto - já fala sobre essas novas famílias.

    ResponderExcluir
  8. Maria Helena (Barilius)quinta-feira, 07 agosto, 2008

    Querida tia Heloísa,
    Primeiro preciso dizer que escrever bem deve ser "hereditário", porque seu texto é como o da Pri, uma delícia! Segundo, concordo que todas essas datas tornaram-se puramente comerciais, porque todos os dias deviamos celebrar a existência de nossos pais, nossas mães, nossos filhos enfim, nossa existência. Mas já que essas datas existem, não concordo que não tenha festas, porque assim como muitas crianças não têm os pais, em razão de morte ou separação por qualquer motivo, outras tantas têm e têm direito de homenagiá-los. Vejo a alegria dos meus filhos em preparar a lembrancinha que será entregue e eles conseguem guardar em segredo o que será até o momento certo, eles gostam de aprender a musiquinha especial que será cantada no dia. Talvez a solução para aqueles que infelizmente não tenham seus pais ou mães seja não comparecer na escola na data marcada para a comemoração ou se isso não for possível, pq seus responsáveis trabalham e provavelmente não teram com quem deixá-los, a escola deve encarregar-se de contornar da melhor maneira esta situação.

    ResponderExcluir
  9. Heloisa,com a diversidade de tipos de familia em que estamos vivendo agora,concordo plenamente com vc.
    Para a criança que tem os pais separados, ou que infelizmente não tem seu pai mais,esas comemorações na escola lhe deixam mto sentidas.

    Na escola Jean Piaget,aqui em Santos onde a Giovana e o Rodrigo estudam,por esses motivos,eles agora comemoram o Dia da Familia,como disse a Nina.
    A criança leva quem quiser,é mto bom ver todas participando.

    Bjos

    ResponderExcluir
  10. Maria Helena,
    Que bom que você apareceu. Gostei muito de ter recebido seu comentário e ele dá chance a um bom debate. Essa é uma questão complicada e que retrata a vida: tristeza e alegria. Mas é preciso encontrar uma forma para evitar que os muito pequenos, que ainda não sabem lidar com a ausência dos pais, sejam poupados de mais tristeza. E isso,sem tirar a alegria dos demais.
    beijos e volte sempre.

    ResponderExcluir
  11. Norminha e demais comentaristas,
    Quer dizer que a idéia dada pela Nina já é adotada?
    Realmente parece ser uma boa idéia, uma festa da família, com gincanas, jogos, danças etc
    E no dia dos pais, as mamães (ou vovós, madrastas ...) se encarregariam de confeccionar com as crianças uma lembrança para os pais. O mesmo no dia das mães.
    bjs

    ResponderExcluir
  12. Helô:

    Quanto às festas, acho que mesmo que a escola não as realize, há sempre comentário do coleguinha quanto à data comemorativa. Dentro da própria família, há a comemoração com outro ente querido. Assim, penso que a escola e a família devem encontrar uma forma de lidar desde cedo com esses problemas: separação dos pais, perda etc. Mas, achei a sugestão da "festa da família" bem legal!

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Já tinha ouvido muitos comentários a respeito do seu blog mas ainda não conhecia!
    Realmente escrever bem é hereditário! Eu sou fã do blog da Pri e agora do seu também! Adorei!!! Parabéns!!!
    Sobre o tema do post, concordo inteiramente! Aliás, por coincidência, estava falando exatamente sobre isso com minha mãe ontem. Lembro que quando eu estava na escola faziamos presentinhos nessas datas, e já nessa época eu me sentia muito constrangida em relação aos meus amiguinhos que não tinham pais...era muito chato tanto para eles como para mim, que também não sabia lidar com a situação. Espero que um dia os educadores reflitam melhor sobre isso!
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Já tinha ouvido muitos comentários a respeito do seu blog mas ainda não conhecia!
    Realmente escrever bem é hereditário! Eu sou fã do blog da Pri e agora do seu também! Adorei!!! Parabéns!!!
    Sobre o tema do post, concordo inteiramente! Aliás, por coincidência, estava falando exatamente sobre isso com minha mãe ontem. Lembro que quando eu estava na escola faziamos presentinhos nessas datas, e já nessa época eu me sentia muito constrangida em relação aos meus amiguinhos que não tinham pais...era muito chato tanto para eles como para mim, que também não sabia lidar com a situação. Espero que um dia os educadores reflitam melhor sobre isso!
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  15. Caras Vera e Tamara,
    Sejam benvindas ao meu blog e muito obrigada pelos comentários.
    Pelo que eu pude sentir, a maior parte das comentaristas concorda com o fato de que é preciso repensar a questão da comemoração das festas familiares na escola.
    E gostei de saber que já há escolas que comemoram numa única data, por meio de uma festa da família.
    Com certeza, todos os nossos pequeninos ( e dos outros) iriam se sentir bem.
    beijos

    ResponderExcluir
  16. Caras Vera e Tamara,
    Sejam benvindas ao meu blog e muito obrigada pelos comentários.
    Pelo que eu pude sentir, a maior parte das comentaristas concorda com o fato de que é preciso repensar a questão da comemoração das festas familiares na escola.
    E gostei de saber que já há escolas que comemoram numa única data, por meio de uma festa da família.
    Com certeza, todos os nossos pequeninos ( e dos outros) iriam se sentir melhor.
    beijos

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.