segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Miúdo e miudinhos


Com três dos nove netos da época.










Com seis netos em 1963. Nessa época já eram nove e o mais velho é o loirinho com os braços levantados.



Hoje é o dia do centésimo terceiro ano do nascimento de meu pai. Ele nasceu em Santos, tinha quatro irmãs mais velhas e um irmão mais novo. Seu apelido de infância era Miúdo, que conservou por toda a vida entre os parentes antigos e alguns amigos. Não sei a razão de tal apelido, pois acho que meu pai, nem em criança, teve altura pequena. Media mais de um metro e oitenta, acho que 1,84 m, o que era uma altura considerável para os tempos antigos. Penso que talvez o apelido tenha sido dado porque ele foi o primeiro filho homem e, em Portugal, o termo "miúdo" (criança) era mais usado para indicar um menino. O fato é que era conhecido por Miúdo, e esteve cercado por miudinhos durante muito tempo.
(A moça da foto abaixo, de 1969, hoje é conhecida como vovó Helô. No colo do vovô, em grande cumplicidade, o filho mais velho da vovó Helô).

Seu nono filho, meu irmão caçula, ainda era um miúdo (tinha 9 anos), quando começaram a nascer seus netos. E foi um festival de crianças. Em pouco mais de um ano e três meses, meus três irmãos mais velhos se casaram e começaram a ter filhos. Havia uma alternância, por ordem da data de casamento e, mais ou menos de 4 a 6 meses, nascia um novo nenê. Em quatro anos, meus pais tinham 9 netos, três de cada filho. Daí foram acontecendo novos casamentos, na família, e nascendo novos miudinhos. Eram 26 netos, quando meu pai faleceu. Sua família continuou a crescer, e hoje os miudinhos são seus bisnetos, que já somam 30 (quase 31).
Abaixo, na porta da nossa casa da rua Padre Visconti, em Santos, com meus filhos, em 1975.









No Orquidário, em 1969.



7 comentários:

  1. Adorei esse post do miúdo e dos miudinhos! Que família grande! Nada miúda! E que menininha mais linda essa encostada na antiga Variant! Era uma delícia encontrar essa criançada com o vovô! bjs, pri

    ResponderExcluir
  2. Nossa, que menininha bunitinha com o seu pai na foto do orquidário!!!! hahahahahahahhaah

    Eu tambem gostava dessa bagunça de ver milhoes de primos juntos.. só nao sabia quem era pai de quem ou filho de quem!!!

    ResponderExcluir
  3. Que familia linda :)
    Da pra entender o tamanho docarinho q vcs tem uns pelos outros , o tio Gus deve sentir a maior falta dessa bagunça familiar ,e eu fico impressionada de ver como a Isadora tem o jeiinho da Pri , e vovó vc deveria ter abalado os corações da rapaziada hen !Que gatona ( ainda é hen ) , quantos miudinhos a bisa que deve adorar essa farra toda né , e só ua pergunta da pra reunir todo mundo pro almoço de Domingo hoje qtos são se eu não perdi as contas são :9 Filhos
    26 NETOS
    30 BIS
    E tem que ser uma mesona né 65 miudinhos , eternos miudinhos !!!

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito. O apelido "Miúdo", sempre soube, era devido ao seu tamanho (grande para a época) e usavam o antônimo do "graúdo". Todavia, sua versão parece mais lógica. As lembranças são sempre gostosas e a parabenizo por as estar trazendo em seu apreciado blog.
    Beijos
    Beto

    ResponderExcluir
  5. Linda história e que família graúda!!! A Pri, então, uma doçura sempre nas fotos!

    Adoro reuniões familiares, a minha tb é big!!! Muitos filhos, netos e bisnetos! Uma festa!

    Bjocas

    ResponderExcluir
  6. Oi Heloisa,adorei esse "Miudo e Miudinhos"".

    Gostei mais ainda de ver as fotos..ainda não as tinha visto.

    Bjos

    ResponderExcluir
  7. Olá Heloísa

    adorei ver essas fotos antigas da sua família, e a história do seu pai "miúdo", um miúdo bem grande, por sinal!

    Em 1969, eu tinha 3 aninhos...

    Ando com vontade de fazer uns posts com fotos antigas mas tenho que fazer uma recolha lá em casa dos meus pais.

    Bjs

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.