domingo, 31 de agosto de 2008

Mundo no quintal
















O tempo das casas com quintal grande é coisa do passado. Pelo menos nas cidades grandes.
Com isso, as crianças aprenderam e passaram a brincar entre quatro paredes. E, mesmo quando estão em algum lugar com espaços abertos, preferem brincar dentro de casa.
O prédio em que moro, no 18° andar, tem no térreo um espaço muito grande, com jardim e alguns bancos. Quando minha netinha está em minha casa, convido-a para ir brincar no jardim e, quase sempre, ela reluta. Parece que prefere ficar brincando dentro de casa, ou ficar vendo seus filminhos. É preciso insistir um pouco para ela descer. Quando chega no jardim, ela gosta.
Lembro da infância dos meus filhos, quase toda passada em casa com quintal. Nem precisava convidá-los para irem para o quintal. Isso acontecia naturalmente. E é fácil entender o motivo : não existia qualquer embaraço ou obstáculo para que as crianças fossem para o quintal. A porta, comumente, estava aberta. Era só descer um, ou poucos degraus.
Hoje, para brincar nos espaços que alguns edifícios oferecem, é preciso abrir a porta do apartamento, chamar o elevador, ou então descer muitos e muitos degraus. A criança pequena não pode ir sozinha para o seu "quintal", precisa esperar por alguém que a acompanhe. O que acontece é que, com todos esses obstáculos, acaba brincando em algum cantinho dentro de casa. Além do mais, o "quintal" do edifício não é a mesma coisa que o quintal de uma casa : falta-lhe o ar familiar, o ar de propriedade. O quintal não é da criança, é dos outros condôminos e até dos carros.
O importante é que as crianças brinquem, brinquem bastante. E elas acabam arranjando um cantinho para isso.
Antes, as grandes brincadeiras aconteciam no quintal, da mesma forma como cantam os Backiardigans nas suas histórias que as crianças tanto gostam :... "temos o mundo inteiro no nosso quintal..."
Hoje, embora sem quintal, a imaginação das crianças continua fértil e solta. E, se as histórias não acontecem mais nos quintais, com certeza estão acontecendo em qualquer espaço onde as crianças estejam brincando.



Fotos: em branco e preto, meus filhos brincando no quintal. Nas coloridas, minha netinha no seu canto de brinquedos, e descendo a rampa para brincar no jardim do prédio.

14 comentários:

  1. Amei esse post. A vovó Helô sempre se supera nas boas idéias, no texto maravilhoso e nas fotos liiindas. Modestíssima à parte! A beleza dessas fica por conta da Dodora, claro! E do Gustavo - vcs viram que lindinho?! E quando ela era menorzinha, tinha momentos parecida com o titio Gus.
    Bem, mas a história do quintal está perfeita. Bons tempos mesmo aquele em que brincávamos tranquilamente no quinta da nossa casa. Mangueira, água, rede, esconde-esconde... Mas que bom que a Isadora consegue fazer de onde está também o seu quintal. bjs, pri

    ResponderExcluir
  2. Oi vovó Helô, o que eu gosto nos seus post é essa comparação que sempre faz, podemos nos lembrar da nossa infância, tão modesta, com brincadeiras simples, sem muitos brinquedos mas sempre com mais irmãos, primos, vizinhos, era tão bom, hoje vemos que as crianças tem de tudo, várias bonecas, carrinho de boneca, joguinho de cozinha, barraca, bicicleta, video game, mas não tem a liberdade de brincar até tarde na rua, ou em uma casa com um quintal enorme, na casa da minha mãe tem um quintal enorme e quando vamos lá a Nathalia faz a festa, corre, brinca com a shakira, joga bola, rola na grama. Obrigada vovó Helô, por me lembrar sempre da minha infância tão feliz! Um beijo!

    ResponderExcluir
  3. Doce lembrança, vovó Helô! Meu pai tem uma casa na praia e lá, sim, tem um quiental enormeeeeeeeeeee e bem verdinho, onde Laís se esbalda e dorme sempre exausta de tanto brincar!!!! Adoramos ir pra lá e vamos sempre que podemos, é uma delícia.

    Bjocas sempre!

    ResponderExcluir
  4. Lindo , exatamente como vc é !
    Eu sempre tive quintalna minha infancia e poderia ficar aqui contando muitas historias deles , o Guta já não teve esse mesmo previlegio , moramos em apto e como a senhora disse te todos esses obstaculos mais qdo ele vai na vovó Fatima ai é uma alegria muita terra e espaço para se esbaldar !!!!

    ResponderExcluir
  5. Vovó Helô,

    Adorei o tema! Como passei minha infância no interior sinto pelo meu filho não ter como curtir certas coisas. E no interior tb tive a alegria de morar por um tempo em uma casa. Tínhamos um quintal delicioso e pegávamos morango na horta para comer. Tenho ótimas lembranças deste tempo!!!
    Hj meu filho vive em apartamento, e sem área externa para brincar. Por este motivo acho que foi ótimo colocá-lo na escola cedo (entrou com 1 aninho), pois lá tem um espaço delicioso para brincar, com árvores, tanque de areia, brinquedos...
    E por este motivo tb que tento sair com ele sempre! Vamos muito ao clube, nas praças...E estou programando para breve um final de semana em um hotel fazenda.
    Brincar em casa, usar a imaginação, criar um espaço...é super importante! Mas é muuuuito gostoso estar ao ar livre!!!

    Bjs,
    Paula

    ResponderExcluir
  6. Eu como moro no interior brinquei muito em quintal, todas as casas aui tinha, agora mudou um pouco, na minha casa tem um quintal mais é tudo com piso, mais na minha mãe tem um quintal com mangueiram rosas, mamoeiro, muitas flores, beija-flor, e muitas outras coisas. A Mariana adora varrer o quintal da minha mãe.

    ResponderExcluir
  7. Heloísa, eu cresci ouvindo maravilhas sobre bichos e fazendas, lendo histórias a respeito. Mas só fui realmente conhecer uma fazenda já adulta, a trabalho! Criada na praia, ouvia as primas do interior falarem em pamonha e curau como maravilhas do mundo, e também só fui experimentar adulta (e não gostei!). Ficamos sempre lamentando que os outros não tenham experimentado as coisas boas que pudemos desfrutar! Como reza o budismo, “a impermanência permeia todas as coisas”. O mundo muda e as crianças também. Bom que temos muitas histórias para contar!

    ResponderExcluir
  8. Norei em Juiz de fora (MG) na infância e apesar de morar em prédio, tínhamos quintal.
    Moravamos no térreo e o quintal era enorme. O vizinho também tinha.
    Aí era uma loucura quando a bola caía do outro lado... E lembro que tinha um morro enorme, ao fundo do quintal. As "invenções" eram muitas: bicho papão vai aparecer, os duendes moram atrás do morro, o Papai Noel, no Natal, iria escalar o morro para trazer nossos presentes...
    Era o nosso mundo o quintal. Eu e meus irmãos tínhamos tudo lá, até piscina (de plástico, enorme, afinal, somos quatro filhos).
    Que recordação boa a senhora me fez sentir agora! Muito bacana!
    Amei o post.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Minha filha hoje brinca no quintal da vovó! Que delícia!

    Ela tem o nome da minha avó, fiz hoje um post falando sobre isto e gostaria de lhe convidar a visitar meu blog. Já que minha avó não pode mais...
    http://meninadecachos.blogspot.com/

    beijo!

    ResponderExcluir
  10. Ai ... Vovò Helô, que delícia este post!
    Inevitável lembrar da minha infância, tão feliz! E o quintal recheia sempre nossas brincadeiras! Tudo bem que criança se arranja em qualquer lugar, mas com certeza, com um quintal à disposição é bem mais fácil deixar a imaginação aflorar.
    Meu filhotinho (Pedro, de 1 ano e 9meses)gosta muito do quintal. Aproveita o da vovó e o nosso, que dá bem "pro gasto". Mas tenho que admitir que às vezes eu é que não tenho tempo para levá-lo e ele acaba se virando como a Isadora: no seu cantinho e com seus filminhos, que ele ama. Espero que eu consiga proporcioná-lo tantos momentos felizes para ficarem na sua lembrança, como eu tenho os da minha infância, bem no meu coração.
    Beijos e parabéns!
    Angélica

    ResponderExcluir
  11. Olá, vovó Helo
    Você não me conhece mas só de olhar seu blog já me sinto da família! Uma amiga me indicou o blog Menina de Cachos que tinha vários links. Justamente o seu com um nome tão simpático chamou minha atenção. Adorei os causos,fotos antigas, as memórias... família é tudo de bom, né?
    Queria muito que minha sogra e mãe se animassem pra fazer um blog... Mas elas acham que não tem competência, hehe. Vou mostrar o seu e tenho certeza que vão amar.
    Dê uma olhadinha no meu http://ferrazludwig.blogspot.com pra entrar pra minha família também! ; )
    Por sinal, minha família é de São Paulo mas há 30 e poucos anos meus pais vieram pra Curitiba.
    Ah! Não esqueça de ver meu vídeo da Tam pra eu ganhar a promoção! O mais acessado ganha uma viagem pra Miami com direito a NOVE acompanhantes... http://www.youtube.com/watch?v=JQX2pRbjAHU
    Grande abraço e parabéns pelo blog, vovó.
    Ju

    ResponderExcluir
  12. Sauddaes hen vovó cade as novas e lindas historias ?

    ResponderExcluir
  13. Queridas Camila e demais comentaristas,
    Obrigada pela presença de vocês. A vovó tem andado meio atarefada, mas logo publicará novo post.
    Beijos
    Heloísa

    ResponderExcluir
  14. Nossa, que delícia o mecanismo do Blogger de mostrar os posts antigos. Vim reler esse e adorei. E encontrei comentários da querida turma antiga do blog, inclusive um da Nina te convidando a conhecer o blog dela...
    Muito boa essa memória automática!
    beijos

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Depois é só escolher uma identidade. Se você não tiver conta google, clique em nome/URL, logo abaixo. Coloque seu nome e, depois, clique em Publicar. Vou adorar ler o que tem a me dizer.